Eduardo Bolsonaro diz que indicação está encaminhada, mas não confirma virar embaixador

41
© Sérgio Lima Deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse, em entrevista coletiva nesta 5ª (11.jul), que tem as credenciais necessárias para exercer o posto mesmo sem ser diplomata de carreira

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, disse nesta 5ª feira (11.jul.2019) que ainda precisa conversar com o pai e com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para confirmara indicação de seu nome para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Ao ser informado que o presidente já o havia confirmado, Eduardo disse que aceitaria e afirmou que até renunciaria de seu cargo no Congresso para cumprir essa missão.

Ele disse ainda que tem as credenciais necessárias para exercer o posto mesmo sem ser diplomata de carreira. Isso porque fala inglês, espanhol, foi o deputado federal mais votado da história e atualmente é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Casa.

“Eu acredito que as credenciais me dão uma certa qualificação. Obvio, não sou 1 diplomata de carreira, não fiz concurso público, mas depende da missão que o presidente vá passar”, disse.

Para o deputado, muitas vezes uma indicação política pode ser vista como um ato ainda maior de estreitamento de laços entre nações. “Eu acredito que a indicação ou a nomeação de uma pessoa tão próxima ao presidente para assumir esse cargo em outro país seria vista com bons olhos pelo lado americano e daria a confiabilidade necessária para que nós venhamos a desenvolver um trabalho resgatando o crédito do brasil no exterior”, completou.

A missão dada pelo presidente, ele disse, seria de reatar relações com os EUA, atrair investimentos e resgatar a credibilidade brasileira no exterior.

O congressista, contudo, manteve uma postura cautelosa a respeito do possível novo cargo ao dizer que o governo norte-americano ainda não foi consultado sobre seu nome e uma sabatina no Senado Federal, por isso disse que trata desse fato ainda como uma cogitação.

“Eu estou sendo bem cauteloso para realmente ter essa conversa com o presidente e com o chanceler Ernesto Araújo para saber realmente se está 100% confirmado. Ao que parece, está encaminhado”, explicou. A conversa com as autoridades responsáveis por sua indicação não deve passar deste fim de semana segundo ele.

Em coletiva na Câmara dos Deputados, Eduardo afastou as chances de que tal indicação poderia ser enquadrada como nepotismo, mas ressaltou que sempre vai haver críticas. Sobre as relações com o país do presidente Donald Trump, ele disse que “certamente teríamos uma relação muito mais próxima”.

Ele negou, contudo, interferir em assuntos internos dos EUA como as políticas relacionadas aos imigrantes ilegais. Sobre o filósofo Olavo de Carvalho, figura influente sobre o governo de Bolsonaro e que mora nos Estados Unidos, Eduardo disse que pode servir como conselheiro, independentemente de estar dentro ou não da embaixada oficialmente.

“Ele [Olavo] mora ali na Virginia, do lado de Washington, quem sabe se futuramente venha a se concretizar isso que hoje é uma possibilidade [virar embaixador] a gente não venha a fazer alguns churrascos e dar uns tiros final de semana no quintal dele”, disse.

poder360.com.br