Em relatório, FMI comenta riscos à Zona do Euro e aborda política monetária

43

Em relatório anual divulgado nesta 5ª feira (11.jul.2019), o Fundo Monetário Internacional (FMI) mencionou os crescentes riscos que a Zona do Euro enfrenta, citando como essencial, também, uma política monetária expansionista por parte do BCE (Banco Central Europeu), como forma de combater “1 período prolongado de crescimento e inflação anêmicos“.

© Reprodução: FMI Sede do Fundo Monetário Internacional em Washington, nos Estados Unidos: órgão comentou nesta 5ª (11.jul), em relatório anual, o cenário para a Zona do Euro

Os riscos que a economia da Zona do Euro enfrenta estão atrelados à desaceleração mundial, ao processo do Brexit, além do quadro fiscal italiano, menciona o Fundo

Foi o último relatório antes de Christine Lagarde, atual diretora-gerente do FMI, deixar o posto, em novembro, para presidir a autoridade monetária europeia.

O documento também incentiva economias superavitárias da Zona do Euro, como Alemanha e Holanda, a realizarem investimentos para reequilibrarem a taxa de câmbio do Euro, moeda que, segundo o FMI, encontra-se desvalorizada.

Crescimento econômico 

Outro ponto do documento menciona a projeção do Fundo para o crescimento econômico do bloco em 2019, em 1,3%, ante 1,9% registrados em 2018. Já em 2020, a expansão deverá ser 1 pouco maior, 1,6%.

Riscos 

A guerra comercial travada entre Estados Unidos e China, conflito que prolonga-se desde 2018, é 1 dos riscos apontados pelo relatório para a economia europeia.

A alta dívida da Itália, além do nebuloso processo do Brexit, são outros fatores mencionados como preocupantes para a Zona do Euro.

Inflação 

Comentando sobre a política monetária, o FMI mencionou que a inflação deverá encerrar o ano a 1,3% na Zona do Euro, longe da meta estabelecido pelo autoridade monetária local, de 2%.

O fracasso no cumprimento das metas de inflação (para baixo) exige política monetária expansionista por 1 tempo prolongado“, alertou o Fundo.

poder360.com.br