Governo

SEGUNDA, 11 DE DEZEMBRO DE 2017 | |

Princesa Isabel, PB

Portal Nordeste1 no FacebookPortal Nordeste1 no TwitterPortal Nordeste1 no Google PlusFale conosco
Publicado em 09/08/2017 às 09:55:45

Centrão pressiona Temer e diz que não votará reforma da Previdência

Líderes dos principais partidos do grupo alegam que, depois do desgaste causado pelo apoio ao presidente durante votação da denúncia, fica inviável votar mais uma medida polêmica às vésperas de ano eleitoral

174_naom_59860154b1e90.jpg

Depois de apoiarem incondicionamente o presidente Michel Temer durante a votação da denúncia de corrupção passiva, no plenário da Câmara, na última semana, os partidos do chamado "centrão" resolveram pressionar ainda mais o governo e afirmam que não votarão a reforma da Previdência.

Para justificar a decisão, os líderes do PP, PR e PSD - as três principais siglas do grupo -, alegam que, depois do desgaste causado pelo apoio ao presidente, cuja rejeição junto aos eleitores chegou a cerca de 90%, de acordo com as últimas pesquisas de opinião pública, fica inviável votar mais uma reforma polêmica. Ainda mais em ano pré-eleitoral.

"Reforma da Previdência se vota no início de mandato. Em final de mandato, é muito perigoso colocarmos uma matéria dessa, ainda mais no momento em que estamos vivendo na Câmara dos Deputados", disse o líder do PR, José Rocha (BA).

No entanto, de acordo com informações da GloboNews, além do prejuízo causado às imagens dos deputados, eles estariam insatisfeitos com a postura adotada pelo governo em relação aos partidos da base que não votaram majoritariamente a favor de Temer: PSDB e PSB.

"O momento é muito delicado, não temos unidade na bancada para isso [votar a reforma]. Nós esperamos que o governo tenha um sentimento de reagrupação e senso de responsabilidade de saber quem realmente é base e quem não é", acrescentou o líder do PP, Artur Lira (AL).

Juntas, as bancas de PP, PR e PSD somam 123 deputados. Na votação da denúncia, os três partidos deram 87 dos 263 votos a favor de Temer. Para aprovar a reforma da Previdência, o governo precisa de 308 votos.

Para piorar a situação do Planalto, há ainda a expectativa de uma segunda denúncia, por parte da Procuradoria-Geral da República, contra MIchel Temer, dessa vez por obstrução da Justiça, o que desgastaria ainda mais a imagem dele e dificultaria as articulações políticas em prol das reformas.

"A reforma tem que ser votada dentro de uma uniformidade da base, e o governo não tem essa uniformidade. A discussão da Previdência abre a porta para sociedade ir para as ruas, é tudo o que o governo tem que evitar diante de uma segunda denúncia", afirma o líder do PSD, Marcos Montes (MG).



Redação NE1 com Notícia ao Minuto

Deixe seu comentário