O batismo de Jesus e o nosso batismo

Batismo do SenhorA Festa do Batismo do Senhor, celebrada no Domingo depois da Epifania, neste dia 10 de janeiro, conclui o Tempo do Natal. Nós expressamos louvor a Deus pelo Batismo de Jesus e pelo Batismo que recebemos. Recordamos, com gratidão, das pessoas que nos levaram ao Batismo. Esta é uma ocasião especial para a renovação da vida batismal, para crescer na fé em Cristo, na participação na Igreja e no testemunho cotidiano da fé. De modo especial, procuremos motivar os pais a batizarem seus filhos.

Nesta Festa do Batismo: o Pai apresenta, manifesta a Israel o Salvador que ele nos deu, o Menino que nasceu para nós: “Tu és o meu Filho amado; em ti ponho o meu benquerer” (Lc 3,22). Revela-se a identidade de Jesus, como Filho de Deus Salvador, o “Filho amado” e Messias-Servo, através da manifestação do Espírito e do Pai. O testemunho de João Batista foi importante para que o povo pudesse conhecer e acolher Jesus, mas o testemunho do Pai e do Espírito é muito maior. João diz: “Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo”. O batismo de João não é o sacramento do Batismo: era somente um sinal exterior de que alguém se reconhecia pecador e queria preparar-se para receber o Messias. Ao ser batizado no Jordão, Jesus é ungido com o Espírito Santo para a missão.

O batismo que Jesus recebe é ainda o batismo velho, com água, de João Batista; mas o fato de que desceu sobre ele o Espírito Santo de forma corpórea como uma pomba fez daquele batismo um batismo novo, o primeiro batismo no Espírito Santo. Não só o primeiro, mas o modelo e a fonte de todo batismo cristão.

No Jordão, não foi a água que santificou Jesus mas Jesus que santificou a água, todas as águas. Jesus entrou nas águas do Jordão para lavar o pecado do mundo. E João Batista dá testemunho de que foi para isso que veio ao dizer: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29). O servo recebe o Senhor, o homem recebe Deus, João recebe Cristo; recebe-o para obter o perdão, não conceder o perdão. Jesus não tinha necessidade de ser batizado. Mas com seu corpo, com sua divindade abençoo todas as águas para que elas tivessem o poder de dar o batismo. Depois, antes de subir ao Céu, Jesus nos disse para ir e batizar todos.

Cada batismo cristão outra coisa não faz a não ser prolongar o mistério daquele dia: o Espírito Santo desce sobre uma criatura humana e aquela criatura se torna “Filho Amado”.

Neste Ano Santo da Misericórdia, a peregrinação às “Portas da Misericórdia” seja acompanhada ou completada com a “peregrinação” em direção aos pobres, aos enfermos, aos enlutados, aos aflitos e aos encarcerados, dentre tantos outros irmãos e irmãs que necessitam de presença fraterna, oração e solidariedade, sinais da autêntica misericórdia cristã.

O Batismo de Jesus leva-nos à meditação sobre o nosso batismo. A importância do Sacramento que nos inseriu na Igreja. Quem de nós recorda a data de seu batismo? Batismo é nascimento para uma vida nova e é compromisso de seguir Jesus Cristo como discípulo missionário. O Batismo é a porta da fé e da vida cristã.

Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena – Bispo de Guarabira(PB)