Reconhecimento facial da PM do Rio falha e mulher é detida por engano

51
© Reprodução A mulher detida foi levada para a 12ª delegacia de polícia do Rio de Janeiro e após apresentar a identidade foi liberada
© Reprodução A mulher detida foi levada para a 12ª delegacia de polícia do Rio de Janeiro e após apresentar a identidade foi liberada

Uma mulher foi detida por engano em Copacabana, bairro nobre do Rio de Janeiro, depois que o sistema de reconhecimento facial da Polícia Militar falhou.

A moça foi confundida com Maria Leda Félix da Silva, que já está presa e é acusada de homicídio e ocultação de cadáver. No sistema da PM, no entanto, constava que Maria Leda estava foragida.

As câmeras instaladas nas ruas do bairro identificaram e reconheceram a mulher como se fosse Maria Leda. Então, os PMs foram acionados e levaram a mulher, que estava sem documentos, para a 12ª delegacia de Copacabana. Depois de os parentes trazerem a identificação da moça, os policiais checaram que ela não era a pessoa que estavam procurando.

A Secretaria da Polícia Militar reconheceu o erro. Em nota, disse que preza pelo princípio da presunção de inocência e reforçou o compromisso das garantias constitucionais dos cidadãos.

O convênio que possibilita a busca por criminosos por meio de câmeras foi firmado entre o serviço Disque Denúncia e a empresa britânica Staff of Technology em 18 de dezembro de 2018. A idéia é que ao passar por câmaras que fazem parte do sistema denominado Facewatch os criminosos sejam reconhecidos e a polícia acionada.

O sistema começou a ser usado no Rio de Janeiro no Carnaval de 2019. O programa é vinculado à base de dados da polícia militar que recebe as imagens ao vivo e compara os rostos.

Além de Copacabana, o estádio do Maracanã também foi equipado com as câmeras. Em dias de jogos os equipamentos buscam identificar criminosos foragidos.

O reconhecimento facial é utilizado em diversos países e já deu certo no Brasil. Em 5 de março de 2019, Marcos Vinícius de Jesus Neri foi identificado e preso por policiais militares quando estava fantasiado em 1 bloco de Carnaval de Salvador. Ele era procurado desde julho de 2018 e foi o 1º a ser preso, na capital baiana, com ajuda desta tecnologia.

poder360.com.br