Um inquérito da Polícia Federal, aberto para investigar ameaças contra o presidente da República, apurou que, em novembro de 2019, um rapaz de 25 anos planejou atacar Jair Bolsonaro, durante visita à cidade mineira de Três Corações, famosa por ter dado à luz Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.

De acordo com o inquérito, o atentado ocorreria em 29 de novembro, quando o presidente compareceu a uma solenidade de formatura em uma unidade militar. A investigação apurou que o jovem trabalhava como funcionário terceirizado no local do evento e estava divulgando mensagens com o plano de ataque, chegando, inclusive, a gravar vídeos.

Se condenado por crime contra a liberdade pessoal do presidente da República, enquadrado na Lei de Segurança Nacional, o jovem pode ter de cumprir até doze anos de prisão. Em 2018, em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, um atentado à faca por pouco não tirou a vida do então candidato à Presidência.

Adélio Bispo de Oliveira, de forma isolada e por motivos políticos, conforme apurado pelas investigações da Polícia Federal, esfaqueou Bolsonaro durante uma passeata de campanha. Hoje, encontra-se internado (preso por prazo indeterminado) em um presídio federal em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

Bolsonaro jamais aceitou a ideia que Bispo atuasse solitariamente. Para o presidente e seu entorno próximo, o homicida agiu a mando de um grupo (de esquerda) organizado, financiado por gente interessada em impedir sua vitória na eleição. É lastimável que o Brasil ainda viva episódios assim. Política é diálogo, não uma guerra.

R7