Presidente do Sincopetro-PB diz que greve dos caminhoneiros não deve ganhar força por falta de união da categoria

“Infelizmente tem esse problema da desorganização. E sendo bem sincero, a falta de união também, porque como já provamos, nós somos uma das, ou a mais forte categoria desse país”. A declaração é do presidente do Sindicado de Transporte de Combustíveis e de Produtos Perigosos Derivados do Petróleo na Paraíba (Sincopetro-PB), Emerson Galdino, ao apontar, durante entrevista ao Arapuan Verdade, que a greve dos caminhoneiros convocada para esta segunda-feira (26), não deve ganhar força em decorrência da falta de união da categoria.

Emerson Galdino explicou que é justa a paralização por parte dos que vão aderir ao movimento, porém, não há organização suficiente e que o movimento não deve ganhar força. “É justa a greve dos sindicatos, as instituições que aderiram, é justo é justo demais, porque tá um absurdo esse aumento de combustível. Praticamente os caminhoneiros estão pagando para trabalhar. Além de combustível, tem o preço do pneu, enfim, é justo demais, mas não é o nosso caso e como falei, para fazer uma greve dessa tem que ser de forma, organizado, tudo sincronizado, todos os estados, não pode ser do dia para a noite. Esse é o meu ponto de vista”, afirmou.

“É, infelizmente tem esse problema da desorganização. E sendo bem sincero, a falta de união também, porque como já provamos, nós somos uma das, ou a mais forte categoria desse país, mas infelizmente não tem a união e nem a organização. Se tivesse, eu tenho certeza absoluta que a categoria não estaria passando por isso. Se tivesse uma organização e a união da categoria. Juntava representante de todos os estados, preparava a pauta de reivindicação e não tinha governo no mundo que não atendesse”, explicou o presidente do Sincopetro-PB.

O sindicalista explicou ainda que os constantes aumentos no preço do diesel não estão afetando os trabalhadores, mas sim empresários, e que uma greve nacional tem que ser muito bem organizada, visto que afetará toda a economia do país, o que não cabe neste momento. “O aumento do preço do diesel afeta os donos de transportadoras e donos de caminhões, não é o nosso caso, nós somos um sindicato laboral. E eu vejo que uma greve nesse nível ela tem que ser muito bem organizada, porque já foi visto, ela afeta a economia do país, então tem que ser muito bem articulado, muito bem elaborado, não pode dia para a noite e por isso esse motivo da gente não aderir a essa greve”, disse.

“Eu falo em nome do sindicato e como eu sempre falo, Cabedelo é o coração da Paraíba, para Cabedelo, para tudo, porque sai dali combustível para os 223 municípios, então a gente aqui, a gente não vai aderir à greve, fala em nome do nosso sindicato. É uma grande responsabilidade de fazer uma greve do dia para a noite. Tem que ser muito bem articulado, muito bem elaborado porque é complicado”, explicou o sindicalista.