Suportar no amor e na paciência

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v62), quality = 82

A Palavra de Deus sempre nos convoca ao amor a Deus traduzido no amor imediato dos irmãos. O amor ao próximo é condição fundamental para o amor que devemos a Deus. E quando não conseguimos amar os que nos são fatigosos?! Será que estaríamos falhando no nosso amor a Deus? A pessoa humana sempre é capaz de fazer contínuos progressos, mas as vezes nos deparamos com grandes dificuldades em acolher a quem nos tenha feito algum mal. Mas a quem podemos considerar nossos inimigos? O Papa Francisco nos responde: “Inimigos são também aqueles que falam mal de nós, que nos caluniam e nos enganam. Não é fácil digerir isso. A todos eles, somos chamados a responder com o bem, que também tem as suas estratégias, inspiradas pelo amor”.

O Evangelho de Nosso Senhor incansavelmente nos colocará diante da estratégia da bondade como resposta aos nossos inimigos, pois “a ninguém deu licença de pecar” (Eclo 15,21). Vivemos em contextos sociais marcados pela impaciência, não estamos mais dispostos a esperar o tempo de crescimento do outro. Contudo, a partir de uma leitura atenta da vida de Jesus percebemos o quanto a bondade e a paciência são costumes necessários para estabelecer relações fraternas. A fraternidade não é somente uma atitude universal, mas é uma consequência de quem busca viver o Evangelho como medida nas relações.

O amor que devemos aos nossos inimigos deve ser acompanhado da oração. Buscamos perdoá-los porque somos filhos do mesmo Pai. O nosso Pai que está nos céus. E só por meio da oração que o perdão se torna uma realidade concreta, sem aquela, só nos limitaríamos a firmar pactos de boa convivência. Amar os inimigos não é se ocupar desse tipo de pacto, mas tê-los, os que nos fizeram algum tipo de mal, em conta em nossos corações e orações, ainda que nos seja bastante difícil. Quando não conseguirmos amar dessa forma, façamos a experiência de trazer à memória o momento da cruz de Jesus. Lá no Calvário, Ele amou a todos, amou os pecadores, os santos, os hipócritas, e amou os seus inimigos imediatos que o crucificaram.

A fé cristã é exigente, ela sempre nos pedirá o compromisso com a caridade, com o amor que se dá até o fim, ainda que julguemos que nossos inimigos não o mereça. Mas quem somos nós para decretar a perda total de nossos inimigos? Diante do evento da cruz de Jesus aprendemos a grande lição do amor que somos devedores para com quem nos ofendeu. Quem se aproxima da mesa da Palavra e da Eucaristia, não pode estar estranho aos irmãos; não podemos tratá-los como inimigos, mas como irmãos em Cristo. Que a força do Evangelho de Cristo sempre nos disponha ao trabalho concreto da caridade!

Dom Frei Manoel Delson – Arcebispo da Paraíba