Ele ficou dois meses internado em São Paulo para tratar câncer no cérebro.

Como um dos principais marqueteiros do país, já trabalhou com Lula, Paulo Maluf e Ciro Gomes.

De acordo com as informações da CNN, em depoimento à CPI dos Correios, em 2005, Mendonça recebeu R$ 10,5 milhões pela campanha à eleição de Lula via caixa 2 e chegou a virar réu no processo do Mensalão, mas foi absolvido em 2012 pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Quatro anos mais tarde, em 2016, seu nome esteve envolvido na Operação Lava Jato, sob a suspeita de ter recebido R$ 10 milhões para o grupo político do ex-presidente Michel Temer, delatado por executivos da Odebrecht. Já em 2017, Duda assinou um acordo de delação premiada com a Polícia Federal.

O publicitário Duda Mendonça deu entrada no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para tratamento de um câncer no cérebero e morreu nesta segunda-feira (16), aos 77 anos. A informação foi confirmada à CNN pelo enteado do profissional.

Nascido em Salvador em 10 de agosto de 1944, abriu a agência DM9 em 1975, ainda em Salvador. Estreou no marketing político em 1985, ao trabalhar na campanha que elegeu Mário Kertez para prefeito de Salvador.Em junho, ele foi diagnosticado com a Covid-19 e, devido às complicações da doença, chegou a ser entubado. O corpo será cremado e os detalhes sobre o local estão sendo decididos pelos familiares. Mendonça é um dos mais famosos marqueteiros políticos. Em 2002, foi o responsável pela campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele criou o slogan “Lulinha, Paz e Amor”, que até hoje é usado pelo PT.

Casado com Aline Mendonça, ele deixa quatro filhos.