É preciso defender a “soberania” do Programa Nacional de Imunização. Esse foi o alerta feito pela ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta quarta-feira (25). Segundo ele, estados e municípios devem seguir as orientações do ministério para definir quais os públicos que devem ser vacinados.

Queiroga acredita que aquele que não seguir as recomendações do PNI poderá enfrentar problemas com a falta de imunizantes para a aplicação da segunda dose. “Se cada um quiser criar um regime próprio, o Ministério da Saúde não vai ter condição de entregar doses de vacinas. Se for diferente, vai faltar dose mesmo. Não vale ir para a Justiça (…) juiz não vai assegurar dose que não existe”, disse Queiroga.

O ministro acrescentou ainda que “se a gente decide que os profissionais de saúde não são prioridade (para a terceira dose), não adianta uma demagogia vacinal dizer que vai aplicar”, alertou Queiroga.

 

PB Agora