Hospital de Trauma de Campina Grande registra captação de múltiplos órgãos e primeira doação de coração de 2021

O Hospital de Trauma de Campina Grande registrou a captação de múltiplos órgãos na noite desse sábado (04). Entre os órgãos foi registrada a primeira doação de coração na unidade em 2021.

O doador foi um homem de 24 anos, vítima de um acidente de moto. Ele teve a morte encefálica confirmada na sexta-feira (03).

De acordo com a unidade de saúde, a doação ajudará a salvar a vida de pelo menos quatro pessoas. O coração e o fígado seriam levados para João Pessoa e os rins para Pernambuco.

Antes de iniciar o procedimento de retirada, a família doadora participou do cortejo da vida junto com os profissionais da unidade, e recebeu a muda de um cacto. A planta significa que o momento é espinhoso, mas um dia vai florescer.

Para que tudo ocorresse em tempo hábil, foi adotada uma logística que contou com o apoio do Corpo de Bombeiros e Casa Militar, assegurando a agilidade no transporte dos órgãos. “Tem que ser tudo muito bem amarrado. Um momento como esse envolve muitas pessoas, desde as equipes de profissionais do hospital onde acontece a retirada, na unidade onde vai ser feito o transplante, o transporte dos órgãos, o Corpo de Bombeiros, para que tudo aconteça bem alinhado, porque enquanto tudo está acontecendo aqui, também está acontecendo no hospital em que estão os receptores”, detalhou Juliana Alves, coordenadora de enfermagem do Núcleo de Captação de Órgãos de Campina Grande.

O coração foi levado em uma aeronave do Governo do Estado para a capital, onde a receptora, uma mulher de 40 anos, já se preparava no Hospital Nossa Senhora das Neves para receber o novo órgão. O transporte aéreo foi necessário para preservar o tempo de isquemia, que é o tempo de funcionamento do órgão sem fluxo sanguíneo. Ao ser retirado, o coração deve ser transplantado em até quatro horas.

O fígado foi encaminhado para um homem de 69 anos, do Rio Grande do Norte, que também teve o transplante realizado em João Pessoa. O rim direito foi para um homem de 66 anos, do estado de Pernambuco, e o rim esquerdo, para outro pernambucano, de 33 anos. As córneas também foram doadas e encaminhadas para o Banco de Olhos da Paraíba.

“Se não temos doadores, a lista de espera não anda e a fila aumenta cada vez mais. Por isso é tão importante esse gesto de amor e solidariedade das famílias que dizem “sim” , mesmo em meio ao luto. Nossa gratidão sempre”, reforçou Rafaela Carvalho, chefe do Núcleo de Ações Estratégicas da Central Estadual de Transplantes.

Doações

Este ano a Paraíba já realizou 169 transplantes, sendo 143 de córneas, três de coração, 11 de rins, nove de fígado e três de medula óssea. Ainda há espera por uma doação de córneas 330 paraibanos, três aguardam um coração, sete precisam de um fígado e 182 estão a espera de um transplante renal.

Da Redação / com Isabela Melo