A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra, 31 anos, por 30 possíveis casos de estupro. A delegada Bárbara Lomba, titular da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) de São João do Meriti, no Rio de Janeiro, informou nesta 5ª feira (14.jul.2022) que os casos envolvem pacientes de Bezerra.

“Não são relatos ainda. Nós precisamos investigar, fazer uma triagem. Primeiro saber qual foi o tipo de procedimento, o que aconteceu, e aí vamos aprofundando. São 30 já identificadas como possíveis [vítimas]. Foram pacientes”, disse em entrevista a jornalistas.

Segundo Lomba, duas pacientes eram aguardadas para prestar depoimento nesta 5ª feira (14.jul). “Há muitos indícios de que elas tenham sido vítimas realmente porque elas foram operadas em 10 de julho, antes daquela vítima que está nas imagens”, declarou.

Entenda o caso

Na 2ª feira (11.jul), Giovanni Bezerra foi preso em flagrante por estuprar uma paciente no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João do Meriti (RJ). Agiu durante a operação de parto no momento em que a vítima ainda estava inconsciente.

Do lado do direito da maca, abriu o zíper e introduziu o pênis na boca da paciente desacordada. O abuso durou cerca de 10 minutos e foi feito ao lado de outros colegas na sala, que estavam à esquerda.

Bezerra tentou disfarçar o estupro limitando os movimentos do corpo. Ao término, limpou a face da vítima para esconder as provas.

O estupro foi gravado por enfermeiras e técnicas do Hospital da Mulher Heloneida Studart na 3ª operação de Giovanni Quintella Bezerra no plantão. As funcionárias suspeitaram do comportamento do profissional e da quantidade de sedativos aplicada nos pacientes e esconderam uma câmera para gravar o ato, que serviu de evidência para a denúncia.

O flagrante foi planejado pelas colegas de Bezerra em uma sala de cirurgia diferente das duas operações anteriores, onde não era possível esconder a câmera. De último momento, o local onde a cesárea seria realizada foi modificado e permitiu a produção da prova do crime.

PODER 360