O ​​regulador bancário da China prometeu aumentar os empréstimos para ajudar os desenvolvedores a concluir projetos imobiliários paralisados ​​e aumentar a demanda dos compradores, à medida que um crescente boicote às hipotecas por compradores de casas agrava os problemas imobiliários do país.

A Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China (CBIRC) reiterou na última quinta-feira (21) que fornecerá “apoio de crédito ativo” para desenvolvedores imobiliários, para que possam concluir projetos atrasados ​​ou paralisados ​​o mais rápido possível.

Também pediu aos bancos que emitissem mais empréstimos hipotecários para compradores de imóveis qualificados para apoiar a demanda e sustentar o mercado imobiliário.

O regulador disse que os esforços anteriores para aumentar os empréstimos imobiliários estão funcionando. As hipotecas aumentaram depois que o Banco Popular da China cortou as taxas de hipoteca em dois décimos de ponto percentual em maio para compradores de primeira casa.

Praticamente todos – 90% – dos empréstimos hipotecários foram emitidos para compradores de primeira casa.

“O atual ritmo de empréstimos para empréstimos relacionados a propriedades atingiu o ritmo mais rápido desde 2019”, disse Liu Zhongrui, funcionário do CBIRC, em uma entrevista coletiva na quinta-feira em Pequim.

No mês passado, novos empréstimos para desenvolvedores emitidos por bancos também atingiram 52,2 bilhões de yuans (US$ 7,7 bilhões), acrescentou Liu.

A promessa é a mais recente de uma série de medidas das autoridades chinesas para apaziguar uma revolta de compradores de casas em todo o país.

Um número crescente de compradores insatisfeitos está se recusando a pagar hipotecas de projetos inacabados, agravando os problemas imobiliários do país e levantando preocupações sobre uma crise financeira sistêmica e agitação social.

O movimento é um sinal de como a crise de liquidez enfrentada pelos desenvolvedores está se espalhando para outros aspectos da sociedade.

O problema começou em 2020, quando Pequim começou a reprimir os empréstimos excessivos de incorporadoras em uma tentativa de conter sua alta dívida e conter os preços descontrolados dos imóveis.

A crise se agravou no ano passado, quando Evergrande – o desenvolvedor mais endividado do país – lutou para levantar dinheiro para pagar os credores. À medida que o setor imobiliário esfria, várias grandes empresas buscam proteção dos credores.

Muitos projetos imobiliários em todo o país foram adiados ou suspensos devido à crise de caixa das incorporadoras. A raiva do público está crescendo em relação aos projetos paralisados, já que muitos compradores de casas começaram a pagar as hipotecas antes de possuírem a nova propriedade.

Na China, as imobiliárias podem vender casas antes de concluí-las e usar os fundos para financiar a construção. É a forma mais comum de venda de casas na indústria.

O boicote às hipotecas pode causar o aumento dos empréstimos ruins nos bancos e diminuir ainda mais o sentimento no setor imobiliário, segundo analistas.

Se as vendas caírem ainda mais, os desenvolvedores podem enfrentar um problema de caixa maior, o que pode levar a mais inadimplências e atrasos nos projetos, criando um ciclo vicioso no mercado.

A crise imobiliária também colocará uma grande pressão na economia e no sistema financeiro – o setor imobiliário e indústrias relacionadas respondem por até 30% do PIB da China.

No início desta semana, a cidade de Zhengzhou, no centro da China, criou um fundo de resgate para desenvolvedores imobiliários para lidar com projetos inacabados, uma das primeiras medidas de resgate dos governos locais para combater o boicote às hipotecas.

O fundo será criado em conjunto pela Henan Asset Management, com sede em Zhengzhou, e pelo Zhengzhou Real Estate Group, de acordo com um comunicado do gestor de ativos na terça-feira. Ambas as empresas são apoiadas pelos governos locais da província.

O fundo será usado para “reviver projetos imobiliários problemáticos e resgatar desenvolvedores em dificuldades”, disse o comunicado, sem revelar o tamanho do fundo.

CNN