Paraíba é pioneira em iniciativa de audiências dentro do metaverso. Foto: Reprodução TV Cabo Branco

Da mesma forma que a internet está presente na nossa vida atualmente, a promessa é que ela chegue para a população através do metaverso. A Paraíba é pioneira na iniciativa de audiências de conciliação dentro de um ambiente virtual. Testes já foram realizados pela Justiça Federal do estado e a previsão é que as primeiras audiências no Metaverso aconteçam ainda no mês de agosto de 2022.

O metaverso replica situações do nosso cotidiano, podendo se relacionar com outras pessoas, comprar e muitas outras atividades. Segundo o advogado Daniel Azevedo, se a sociedade está presente no mundo digital, a Justiça Federal também deve estar presente para regular as condutas, pois já houve casos de assédio e casamento sendo celebrados dentro do metaverso.

O atual código de processo civil já prevê a prática de atos processuais em ambientes em meios digitais. Audiências podem ser realizadas de forma telepresencial e intimações são enviadas por whatsapp. “Isso não veio para substituir nada, veio para agregar o que já existia como uma forma de abraçar a sociedade em todos os seus contextos. Seja no mundo físico, tangível, mas também no mundo digital”, fala Daniel Azevedo.

Em entrevista à TV Cabo Branco, Samara Queiroz, assistente técnica do núcleo de tecnologia da informação da Justiça Federal da Paraíba, mostrou as salas de audiência virtual já prontas. “A gente acredita que nesse ambiente os ânimos vão estar menos acirrados. Numa perspectiva de jogo, não olhando direto para aquela pessoa que você está em conflito”, explica ela.

A entrevista, inclusive, foi a primeira do Brasil realizada dentro deste metaverso.

Testes já foram realizados e a previsão é que as primeiras audiências no Metaverso aconteçam ainda no mês de agosto de 2022.

Primeira entrevista dentro do metaverso no Brasil. Foto: Reprodução TV Cabo Branco.

O secretário de ciência e tecnologia de João Pessoa, Guido Lemos, também comentou sobre o avanço desta tecnologia e as possibilidades da capital do estado estar inserida. A possibilidade de acessar o Paço Municipal e o Centro Administrativo. Na cultura, as pessoas vão poder fantasiar o avatar e ir até a Praça do Bispo para participar do cafuçu. “Mergulhos virtuais nas piscinas da Ponta do Seixas por pessoas que não estão aqui na paraíba”, lista o secretário.

Como no mundo real, dentro do metaverso as pessoas pagam 5 mil dólares em uma bolsa da Louis Vuitton ou mil doláres em um tênis da Nike. Os produtos comprados são pagos com dinheiro real e o comprador recebe um código, mas esse código pode ser roubado.

Veja também  Google cria alerta para avisar sobre informações não confiáveis nas buscas online

Segundo o advogado Gustavo Rabay, a sociedade está vivendo um problema grave de justiça. “Não precisamos de novas leis, mas as ferramentas funcionarem”, explica ele ao citar o anúncio da Policia Federal de uma unidade especial de crimes cibernéticos, temos também a criação no estados delegacias especializadas em crimes virtuais.

No metaverso tem uma vantagem, tudo se baseia em criptografia avançada. Uma proteção maior e dificilmente cairão nas mãos erradas. Hackers poderão causar problemas.Temos os instrumentos, mas estamos engatinhando na experienciação na punição de crimes virtuais”, comenta Rabay.

Entenda o que é o metaverso

O termo “metaverso” apareceu pela primeira vez em 1992 no livro de ficção científica “Snow Crash”, de Neal Stephenson. No livro, os personagens usam avatares digitais para entrar em um universo online. O metaverso é um ambiente virtual e possui uma estrutura que busca passar a sensação de realidade.

O metaverso utiliza as tecnologias de realidade virtual, como óculos e manoplas utilizados em jogos de videogame, para que o usuário se sinta realmente dentro daquele mundo.

Alguns jogos já utilizavam a ideia do metaverso. Um dos exemplos mais conhecidos é o jogo criado por Philip Rosedale, Second Life. Nesse jogo, os usuários podiam criar um avatar e interagir dentro desse universo virtual.

Como acessar o metaverso?

Atualmente, para ter acesso a realidade virtual de forma imersiva é necessário alguns equipamentos, que são utilizados em jogos. Além disso, é preciso decidir em qual metaverso deseja entrar.

As plataformas mais utilizadas no momento são Decentraland, Axie Infinity, Horizon, Mesh, Sandbox, Fortnite e Roblox. Elas oferecem uma variedade de experiências, entre jogos, espaços de trabalho virtuais e passando por entretenimento ao vivo.

Conexão estável com a internet

Como se trata de um mundo virtual, é preciso uma conexão estável com a internet. Ter uma conexão de internet mais rápida, significa que a transferência de dados será maior.

Óculos de realidade aumentada

Já conseguimos interagir com outras pessoas usando avatares em jogos online, mas ao usar os óculos de realidade aumentada promove uma sensação de inserção na realidade virtual ainda maior.

Joysticks

Através dos joysticks, a pessoa consegue interagir com os elementos que aparecem na tela.

 

  • Jornal da Paraíba