(Foto: Reprodução)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu manter nesta quarta-feira (21) a taxa básica de juros (Selic) em 13,75%, interrompendo o seu mais longo ciclo de aperto monetário.

O colegiado do BC indicou também que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados e que “não hesitará em retomar o ciclo de ajuste caso o processo de desinflação não transcorra como esperado”.

“O comitê se manterá vigilante, avaliando se a estratégia de manutenção da taxa básica de juros por período suficientemente prolongado será capaz de assegurar a convergência da inflação”, afirmou.

A decisão não foi unânime. A diretora de Assuntos Internacionais e Gestão de Riscos Corporativos, Fernanda Guardado, e o diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução, Renato Gomes, votaram por uma alta residual de 0,25 ponto percentual na Selic.

A taxa básica de juros, que partiu de seu piso histórico — 2% ao ano —, chega ao fim do ciclo no mais alto patamar em quase seis anos. De outubro a novembro de 2016, durante o governo de Michel Temer (MDB), a taxa de juros estava fixada em 14% ao ano.

Ao todo, foram 12 aumentos consecutivos entre março de 2021 e agosto deste ano, com elevação acumulada de 11,75 pontos percentuais.

O atual choque de juros é também o mais forte desde a adoção do regime de metas para inflação, em 1999. Na época, a taxa básica saltou de 25% para 45% ao ano.

Com a decisão desta quarta, o Brasil ocupa a posição de país com a maior taxa real de juros ao ano, descontada a projeção de inflação para os próximos 12 meses, segundo o ranking elaborado pelo portal MoneYou e pela gestora Infinity Asset Management. A lista tem 40 países.

Até fevereiro deste ano, o Brasil estava no topo do ranking, mas foi ultrapassado pela Rússia em março, após o forte aumento de juros no país em meio à Guerra da Ucrânia. Em maio, quando o banco central russo cortou a taxa de 20% para 14% ao ano, o Brasil voltou ao topo da lista.

Mauricio Oreng, superintendente de pesquisa macroeconômica do Santander, classificou a decisão do BC como uma “parada hawkish”, ou seja, acompanhada de um discurso mais duro, mas disse ver a manutenção da Selic no atual patamar como o cenário mais provável.

“Exceto por um choque muito grande, que pode ser [no preço das] commodities, por exemplo, eu tendo a acreditar que a resposta do BC vai ser manter o juro parado por muito tempo”, disse.

Para Rafael Cardoso, economista-chefe da Daycoval Asset, a indicação do BC de que não tem certeza de que o próximo movimento é de queda dos juros é o ponto mais relevante do comunicado. Ele também destaca a divergência entre os membros do colegiado com viés de alta, o que não ocorria desde 2016.

Na avaliação do especialista, o BC deu um “passo além” em direção a uma mensagem mais incisiva.

A decisão do Copom veio em linha com a expectativa majoritária do mercado financeiro. Levantamento feito pela Bloomberg mostrou que a maioria dos analistas esperava que a Selic fosse mantida em 13,75%, enquanto uma parcela menor projetava um ajuste residual de 0,25 ponto percentual.

Desde o encontro anterior do colegiado, em agosto, as projeções de inflação arrefeceram tanto para este ano quanto para o próximo. No período, também houve queda no preço do barril de petróleo no mercado internacional.

No cenário de referência do Copom, as projeções de inflação caíram de 6,8% para 5,8% neste ano e se mantiveram em 4,6% para 2023. Para 2024, o colegiado elevou a previsão de 2,7% para 2,8% (ainda abaixo do centro da meta, de 3%). Em seu panorama, adotou a hipótese de bandeira tarifária verde em dezembro deste ano.

“O comitê julga que a incerteza em torno das suas premissas e projeções atualmente é maior do que o usual”, disse.

O BC vê fatores de risco para a inflação. Entre as condições que puxariam os preços para cima, o Copom destacou a persistência das pressões inflacionárias globais, a incerteza sobre a situação fiscal do país e a pressão vinda do mercado de trabalho.

Na direção contrária, indicou a queda adicional dos preços das commodities internacionais, uma desaceleração da atividade econômica global mais acentuada do que a projetada e a manutenção dos cortes de impostos projetados para serem revertidos em 2023.

Apesar das revisões recentes da inflação para baixo, as projeções continuam distantes das metas perseguidas pelos BC para 2022 e 2023 -fixadas pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) em 3,5% e 3,25%, respectivamente, com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

O objetivo deste ano já foi abandonado pela autoridade monetária, que disse no último relatório trimestral de inflação, em junho, ver 100% de risco de estouro da meta em 2022. Dada a defasagem dos efeitos da alta de juros na economia, o colegiado toma sua decisão buscando a convergência da inflação “para o redor da meta” no ano que vem e, em menor grau, em 2024.

Nas últimas semanas, as estimativas do mercado para a inflação de 2024 começaram a se deteriorar e avançaram para 3,5%, ante 3,3% na reunião anterior do Copom, se afastando de forma precoce do centro da meta (3%).

O Copom volta a se reunir nos dias 25 e 26 de outubro, às vésperas de um eventual segundo turno das eleições, para calibrar o patamar da Selic.