Imagem de satélite mostra o furacão Ian próximo de Cuba NOAA via Getty Images

Imagens de satélite no início da tarde desta terça-feira (27) sugerem que o furacão Ian — atualmente de categoria 3 com ventos de 193 km/h — está se fortalecendo à medida que se move para as águas ultraquentes do Golfo do México.

Meteorologistas notaram que poderia estar entrando em outro período de rápida intensificação.

A intensificação rápida é exatamente o que parece — os ventos de um furacão se fortalecendo rapidamente em um curto período de tempo. Os cientistas definiram como um aumento da velocidade do vento de pelo menos 56 km/h em 24 horas ou menos.

Há várias coisas que os meteorologistas apontam como evidência de que Ian pode se intensificar rapidamente. A pressão central do furacão está caindo e raios frequentes foram observados dentro e ao redor da parede do olho.

As imagens de satélite também retratam os chamados “mesovórtices” no olho — áreas menores de circulação que giram dentro do olho como cata-ventos – o que pode ser um sinal de uma tempestade forte e intensificada.

Dois ingredientes devem se unir para que ocorra uma rápida intensificação — ambos presentes no sudeste do Golfo do México:

  1. Os ventos de nível superior ao redor do furacão precisam ser fracos, pois ventos fortes podem impedir que uma tempestade se intensifique ou até mesmo destruir uma tempestade
  2. A água quente do oceano deve se estender bem abaixo da superfície, chegando a centenas de metros de profundidade, para fornecer combustível suficiente para o furacão se fortalecer.

A intensificação rápida tem sido historicamente um fenômeno raro, mas está se tornando mais comum à medida que a crise climática aquece as temperaturas dos oceanos e empilha o convés em favor de furacões mais intensos.

 

CNN