Foto: Reprodução

Os investidores reagiram bem ao resultado do 1º turno das eleições de 2022. O dólar comercial caiu mais de 4%. Atingiu R$ 5,17. É o menor patamar desde 22 de setembro (R$ 5,11).

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores fechou o dia com alta de 5,54%. Atingiu 116.134 pontos. As taxas dos juros futuros estão em queda.

O fôlego de Jair Bolsonaro (PL) para tentar ganhar as eleições mostra possível tração das pautas liberais, como reforma tributária e privatizações.

Se Lula (PT) quiser acenar para esse grupo, terá que montar uma equipe econômica que agrade, como o nome de Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central.

Também deverá acabar com a história do “cheque em branco” no estilo “vocês me conhecem e sabem como vou governar”. Lula terá de detalhar mais o que pretende fazer.

Jeferson Bittencourt, da ASA Investments e ex-secretário de Tesouro, disse que Lula teria dificuldades para ampliar o tamanho do Estado e aumentar impostos, como parecem sugerir as falas do petista.

Já medidas pontuais de aumento de despesa não parecem uma grande dificuldade: “Esse não parece um Congresso fiscalista“, declarou.

Gabriel Leal de Barros, sócio da Ryo Asset, disse que houve surpresa no resultado das urnas em relação ao que apontavam as pesquisas eleitorais. O resultado da eleição mostrou uma força da direita e do boslonarismo.

Tarcísio de Freitas (Republicanos) ficou em 1º lugar na disputa ao governo de São Paulo, exemplificou. O Congresso teve uma consolidação do PL, partido de Bolsonaro. “A gente vai ter um Congresso mais à direita”.

O sócio da Ryo Asset acredita que um eventual 2º mandato de Bolsonaro virá com a expectativa de maior avanço na agenda liberal.

Lula teria pouco espaço no Congresso para reformas antiliberais. “Isso força uma certa convergência de Lula ao centro para tocar a agenda econômica“, afirmou.

SENADO

Para Bittencourt, o partido de Bolsonaro está habilitado a pleitear a presidência do Senado, onde o governo teve mais dificuldades. “Há projetos importantes para o governo que estão parados lá, como a reforma do Imposto de Renda e o marco regulatório das garantias”, afirma.

AÇÕES EM ALTA

O resultado das urnas favoreceu ações de empresas estatais que estão na lista de privatizações.

O papel da Petrobras subiu 8% (R$ 32,2). O do Banco do Brasil, 7,6% (R$ 41,5).

A ação da Sabesp, empresa de saneamento paulista, disparou 16,9% (R$ 58,0) com a ida de Tarcísio de Freitas (Republicanos) para o 2ª turno em São Paulo.

Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais ) avançou 11,2% (R$ 12,0) com a eleição de Romeu Zema (Novo) para o governo do Estado.

Por outro lado, as ações das empresas de educação Yduqs e da Cogna chegaram a perder mais de 6% de valor ao longo do dia com a possível perda de Lula –que defende o reforço de programas como o Fies e o ProUni, que beneficiam os conglomerados educacionais. Depois, os papéis recuperaram parte da perda.

Agora, os analistas focam em entender como será a campanha no 2º turno. Se a eleição tiver muitas promessas de aumento de gastos que não estão no Orçamento, pode haver maior risco para o preço dos ativos.

“Se a gente entrar em uma campanha com essa característica, esse bom humor de curto prazo do mercado vai se desvanecer rapidamente”, afirmou Bittencourt.

PODER 360