Divulgação

Em áudio vazado em grupos de WhatsApp, o ex-governador Ricardo Coutinho (PT), terceiro colocado na disputa pelo Senado, avaliou como positiva a decisão do senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) em aderir à candidatura do deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB).

Para Coutinho, a estratégia beneficia a candidatura do ex-presidente Lula (PT). O ex-governador não leva em conta os acenos e gestos feitos por Pedro à direita conservadora que defende o presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Só temos condições de Lula crescer se for no eleitorado de Pedro. O movimento de Veneziano é correto, movimento que neutraliza Pedro. Faz com que Pedro esqueça, deixe de lado totalmente a eleição nacional, não permite que Pedro vá para Bolsonaro” disse o petista.

Para o ex-governador, a base do governador João Azevêdo (PSB) seria formada de bolsonaristas. “Se Pedro fosse para Bolsonaro, juntamente com a base de João, era o caos rapaz”, frisou.

Ricardo não cita o fato de que o senador eleito Efraim Filho (União Brasil) é apoiador declarado de Bolsonaro e foi eleito na coligação de Pedro.

Na mensagem, Ricardo ainda voltou a centrar artilharia contra a reeleição de João Azevêdo, que recebeu o apoio formal de Lula na última quarta-feira (5). O PT da Paraíba também declarou apoio.

“É uma safadeza essa reeleição de João. João ressuscitou a direita nesse estado. João é o cara responsável pela maior pilantragem [não cita qual] da história da Paraíba… Um cara desse é um mal, um terrível a política”, afirmou.

Ricardo Coutinho, porém, ponderou que apesar de não votar em Pedro, avalia que seria boa a vitória do tucano.

“Apesar de eu não votar nele, uma alternância de poder não faria mal ao estado. Se eu fosse pensar em mim, era muito mais negócio ele [João] continuar governando. Na verdade, esse cara precisaria ter uma derrota”, pontuou.

Lembrando que Ricardo e Cássio Cunha Lima estiveram juntos nas eleições de 2010, e depois romperam.

 

Blog da Sony Lacerda