Integrantes da coordenação da campanha de Lula e do PT, em Crateús, provocaram o Ministério Público para que fosse feita a suspensão das atividades da Rádio Poty, tradicional emissora com 40 anos de atuação na região dos Sertões de Crateús e Inhamuns.

Além de pedir suspensão da rádio por 24 horas, os comunicadores Marcelo Chaves e Conegundes Soares também foram alvos do processo judicial e quer o PT fazer calar o exercício do jornalismo e ferindo a liberdade de expressão. “Fui deputado estadual e federal. Depois de ter vivido o período do regime militar, trabalhei para defender as liberdades e os direitos individuais do brasileiro. Agora, estou vendo essa liberdade ruir. Uma empresa jornalística devidamente registrada e séria não pode ser acusada da prática da chamada fake news. Ao adotar essa postura, o PT assume estar cerceando a liberdade de imprensa. O que se assiste nessas eleições é a volta retumbante da censura”, reclamou o ex-deputado Antônio dos Santos, proprietário da Rádio Poty.

Para Antônio dos Santos, “Nessas eleições é que se deveria ser mais valorizado o princípio fundamental da liberdade de imprensa, mas o que vemos é a atividade jornalística sendo podada de todas as formas”, disse.

“Se é dado esse tratamento a uma emissora de rádio, que dirá o que pode ser feito ao cidadão”, afirmou o proprietário da Poty.

Para Antônio dos Santos, o pedido de censura é simbólico por se tratar de atingir uma emissora de rádio na terra em que nasceu o sogro do candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, adversário do PT.

“Curioso ver que é exatamente o partido que se diz democrata que pede a censura. Só fiz reproduzir o que o próprio candidato Lula disse sobre o nordeste. Nunca pensei em passar por um constrangimento desse”, lamenta o diretor da Rádio Poty, Marcelo Chaves.

Na foto, o comunicador e diretor da Rádio Poty, Marcelo Chaves. (Foto: Paulo Ricardo)

Segundo o documento do Ministério Público, a Rádio Poty estava “veiculando opinião desfavorável” contra o candidato do PT, Luíz Inácio Lula da Silva.

O comunicador Conegundes Soares reagiu ao pedido do PT e da campanha de Lula em Crateús. “O próprio documento afirma que eu estava emitindo opinião. Ora, se é opinião, é a liberdade que tenho. Querem suprimir? Querem calar minha boca e deixar de exercer minha profissão?”, lamentou Conegundes em entrevista à Rede ANC.

“O PT quer calar quem critica o candidato deles. Fizeram com alguns jornalistas, com algumas emissoras, fizeram isso com a Jovem Pan, com a Gazeta do Povo, com o Brasil Paralelo e agora com a Rádio Poty. Deus sabe aonde iremos parar…”, criticou Antônio dos Santos.

Já Marcelo Chaves acredita que o pedido de censura por parte do PT faz parte das ações de desespero da campanha.

A juíza eleitoral de Crateús, Débora Ximenes, negou o pedido de censura. “A liberdade de imprensa, prevista no Art. 220, da Constituição Federal, é essencial ao Estado Democrático de Direito. Desse modo, em juízo de cognição sumária, entendo pela impossibilidade da liberdade de imprensa sofrer constrições em período eleitoral”, escreveu a juíza na decisão.

NOTA DE SOLIDARIEDADE – RADIO RIO POTY

Fonte: Notícia do Ceará