O primeiro-ministro deposto do Paquistão, Imran Khan, acena para os apoiadores ao chegar em um helicóptero para liderar uma manifestação de protesto em Swabai (Foto: Abdul Majeed /AFP)

O ex-primeiro-ministro paquistanês Imran Khan foi baleado no pé, nesta quinta-feira, em uma aparente tentativa de assassinato. O ataque aconteceu durante um comício político. Apesar do susto, a assessoria do político afirma que ele passa bem.

Khan, de 70 anos, foi destituído em abril, após perder uma moção de censura no Parlamento, depois de semanas de crise política no país. Desde então, liderava uma série de marchas de protesto para exigir eleições antecipadas.

Durante o ataque desta quinta, um membro do partido Movimento Paquistanês pela Justiça,de Khan, confirmou que vários colegas também ficaram feridos, em meio a relatos de que um havia sido morto. O suspeito do ataque foi morto e um segundo homem foi detido pela polícia.

— Ele está em condição estável. Esta foi uma tentativa de matá-lo, de assassiná-lo — disse à AFP o conselheiro de Khan, Raoof Hasan.

O ataque aconteceu em Wazirabad, a cerca de 200 km ao sul da capital paquistanesa, Islamabad. Desde que foi deposto, Khan realizou uma série de comícios em todo o Paquistão, provocando a oposição contra um governo que está lutando para tirar a economia da crise. Ele havia planejado conduzir sua caravana motorizada lentamente para o norte até Islamabad, atraindo mais apoio ao longo do caminho antes de entrar na capital.

— Quero que todos vocês participem. Isso não é para política ou ganho pessoal, ou para derrubar o governo. Isso é trazer liberdade genuína ao país — disse Khan em uma mensagem de vídeo na véspera da marcha.

O primeiro-ministro, Shehbaz Sharif, condenou o ataque e ordenou que o ministro do Interior realize uma investigação imediata.

 

O GLOBO