Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

Após suspender as investigações sobre suspeitas de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude na Fundação Getúlio Vargas, o ministro Gilmar Mendes (foto), do STF, determinou a “imediata” devolução dos bens apreendidos dos diretores da instituição. Segundo o Estadão, estão entre os bens valores em moeda estrangeira, celulares e computadores.

Em sua decisão, o ministro mandou o diretor-geral da PF, Márcio Nunes de Oliveira, fazer a Superintendência da corporação no estado do Rio de Janeiro cumprir a decisão “sem prejuízo de apuração da responsabilidade penal e administrativa das autoridades recalcitrantes”, em referência a possível investigação de agentes que negaram a devolução do material.

Ao suspender as investigações sobre supostas fraudes na FGV, Gilmar Mendes questionou “a indevida expansão da competência” da Justiça Federal do Rio de Janeiro para julgar o inquérito e criticou o que chamou de “universalização”  da Lava Jato do Rio.

O magistrado também questionou o uso da delação do ex-governador Sérgio Cabral e as provas para embasar a operação da Polícia Federal.

Na última quinta-feira, a PF deflagrou a Operação Sofisma, que mira um esquema de corrupção que explorava a FGV.  Ao todo, foram cumpridos 29 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O Antagonista com informações de Estadão