Detector de metais amador encontra anel de ouro de 1.500 anos na Dinamarca

Um detector de metais amador na Dinamarca descobriu um raro anel de ouro antigo que pode ter pertencido a uma família real até então desconhecida.

O que aconteceu

  • Lars Nielsen encontrou um grande anel de ouro decorado e incrustado com uma pedra semipreciosa vermelha.
  • Nielsen explorava Emmerlev, no sul da Jutlândia, Dinamarca, segundo o comunicado oficial sobre a descoberta.
  • O anel data do século V ou VI e, segundo pesquisadores do Museu Nacional da Dinamarca, a joia tem muito “significado histórico”.
  • O anel pode ter pertencido à realeza local ligada aos merovíngios, uma dinastia de reis francos que governaram partes da França, Bélgica e Alemanha entre os séculos V e VIII.

“O anel de ouro conecta a área (Emmerlev) com um dos maiores centros de poder da Europa”, disse Kirstine Pommergaard, arqueóloga e curadora do Museu Nacional da Dinamarca, em declaração. “(…) é provavelmente um anel de mulher casada com um príncipe de Emmerlev”, acrescentou a especialista.

Os pesquisadores basearam a conexão real do anel ao seu artesanato requintado, que inclui “espirais na parte inferior e botões de trevo” — características associadas ao artesanato franco, conforme o comunicado.

A pedra vermelha também é uma pista sobre a propriedade, uma vez que pedras semelhantes eram símbolos conhecidos de poder entre os nórdicos, disseram os pesquisadores. Já a localização ficava a poucos quilômetros de outros artefatos, incluindo uma coleção de moedas de ouro e prata, cerâmica e chifres de ouro, levando especialistas a pensar que o item foi colocado intencionalmente na área.

“Talvez eles estivessem relacionados. Junto com outras descobertas recentes, mostra que o sul da Jutlândia teve uma influência maior do que se pensava e tinha uma presença aristocrática com importantes ligações comerciais para o sul”, concluiu Anders Hartvig, arqueólogo medieval do Museu Sønderjylland.

 

As informações são do Iflscience.