Eliminação precoce no Paulistão é preço que o Corinthians pode pagar, de novo, por erros do início da temporada

António Oliveira não pode ser cobrado pela possível eliminação, principalmente pela mudança de postura do time desde a sua chegada

Mais uma vez, o Corinthians pena no Paulistão por equívocos cometidos no início da temporada. Em 2023, o desempenho já foi abaixo do esperado, e o time foi eliminado nas quartas de final após perder a partida para o Ituano nos pênaltis. A expectativa era de que para a disputa deste ano, o Alvinegro conseguisse chegar mais longe, e quem sabe, até mesmo beliscar um vaga nas finais, porém a realidade é outra e o Timão pode ficar pelo caminho já na primeira fase do estadual.

Neste domingo (25), o Corinthians entrou em campo pela 10ª rodada do Paulistão com uma derrota para a Ponte Preta – a sexta do time. Ou seja, dos dez jogos disputados até agora, venceu apenas três e empatou um, números que deixaram o alvinegro na lanterna do grupo com dez pontos somados e um saldo negativo de um gol.

Diante a reação iniciada com a chegada de António Oliveira, a possibilidade de passar de fase se apresentou, mas o resultado negativo contra a Macaca complicou a situação e deixou o Timão mais distante do mata-mata. Ainda faltam duas rodadas para acabar a fase de grupos, e o time enfrenta o Santo André, no sábado (02) e depois o Água Santa. Para se classificar, o Corinthians tem que vencer os dois, e ainda assim ficará dependendo de uma combinação de resultados dos adversários:

  • Mirassol precisa perder da Portuguesa e do São Bernardo;
  • Inter de Limeira precisa perder do São Paulo – partida atrasada -, do Santos e do Ituano.

 

Adeus precoce no Paulistão é conta a ser paga pelos erros do início da temporada

O Campeonato Paulista começou para o Corinthians no dia 21 de janeiro, e já para a estreia, o então treinador Mano Menezes teve que lidar com a saída de Lucas Veríssimo as vésperas do jogo com o Guarani. Depois, uma sequência de erros da diretoria que impediam a oficialização do contrato de Matheus França e a regularização de Rodrigo Garro. Rubão, o dirigente falastrão que agia no mercado do futebol, foi “substituído” por Fabinho Soldado, que – ao parece conseguiu – colocar ordem na casa.

Além disso, o desempenho do time sob o comando de Mano Menezes chegou a colocar o Timão perto da zona de rebaixamento no estadual, chegando ao saldo negativo de menos cinco gols, sem contar com as derrotas inacreditáveis dentro e fora de casa para times de menor expressão.

O maior campeão do Campeonato Paulista ficar de fora reta final da competição é vergonhoso. Tão vergonhoso quanto ser eliminado nos pênaltis para o Ituano. A situação é o reflexo do péssimo começo de ano, e a conta chegou – rápido – como haveria mesmo de chegar. Até mesmo o mais otimista torcedor fiel tem consciência de que uma classificação encobriria todos esses erros.

António Oliveira e a comissão não podem ser culpados

Se tem alguém que não pode pagar o pato pelo Corinthians ficar pelo meio do caminho é António Oliveira. O treinador chegou ao clube há menos de 20 dias, e mesmo com o pouco tempo de trabalho e folgas para treinos, já promoveu algumas mudanças, que dão esperanças para um Brasileirão mais digno que o anterior. Mesmo com a eliminação eminente, o treinador falou que ainda não há motivos para desistir.

— Estou orgulhoso dos meus jogadores, entregaram-se na nossa forma de jogar e naquilo que é procura de uma hipotética classificação. Como já disse que alguns tempos atrás falava-se em outro tipo de situação, agora estamos a falar de classificação. Estamos indo contra o relógio, contra o tempo, mas o que disse e sempre digo é que jamais desistiremos e no fim fazemos as contas – afirmou António Oliveira.

Por Trivela