Com níveis mais baixos no período chuvoso, governo manda preservar reservatórios de hidrelétricas

Na reunião desta quarta-feira (6), o CMSE autorizou a redução da saída de água nas usinas hidrelétricas de Jupiá e Porto Primavera, no Rio Paraná, entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, determinou nesta quarta-feira (6) medidas para preservar os reservatórios das usinas hidrelétricas em razão da redução do nível de água em pleno período de chuvas.

A decisão foi tomada em reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). Para o ministro, as medidas são uma forma de preservar a segurança energética do país, principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Na reunião desta quarta-feira (6), o CMSE autorizou a redução da saída de água nas usinas hidrelétricas de Jupiá e Porto Primavera, no Rio Paraná, entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

O grupo de monitoramento também autorizou a retenção de água nas chamadas “usinas de cabeceira” — localizadas na cabeceira dos rios.

Segundo Silveira, essa medida pode preservar cerca de 11% de armazenamento na bacia do Paraná até agosto deste ano e cerca de 7% no Sudeste e Centro-Oeste.

O ministro também determinou aos secretários da pasta e ao ONS que adotem medidas para preservar a água nesses reservatórios de cabeceira, junto à Agência Nacional de Águas (ANA) e ao Ibama.

As decisões foram tomadas por causa do nível dos reservatórios em pleno período chuvoso, o que acendeu um alerta no governo.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o período chuvoso tem sido um dos períodos mais críticos nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Em fevereiro, os reservatórios estavam com níveis 12,4% menores que no mesmo período de 2023.

A projeção do ONS é de que, em março, a vazão dos rios continue abaixo da média histórica para o período tipicamente chuvoso, que está em curso. Esse cenário vem sendo alertado pelo ONS como um “ponto de atenção”.

Como as usinas hidrelétricas respondem por cerca de 47% da capacidade de geração de energia no sistema nacional, a quantidade de água nos reservatórios e a vazão dos rios são indicadores importantes. (veja abaixo)

G1