João Gonçalves fala de desconfiança contra Gervásio Maia e defende que governador assuma comando do PSB na Paraíba

O deputado estadual João Gonçalves afirmou que há desconfiança contra Gervásio Maia dentro do partido e defendeu o nome do governador João Azevêdo para a presidência do PSB. A declaração do parlamentar foi feita no programa Arapuan Verdade desta quinta-feira (14). “Tem que ser João Azevêdo porque o partido internamente está em ebulição e muita gente não se sente com segurança dentro do partido com meu amigo, meu colega, meu ex-presidente Gervásio Maia”, disparou. Ele afirmou ainda que João Azevêdo tem que ser candidato ao Senado da República por tudo que está fazendo pela Paraíba.

Sobre apoio às eleições para a Prefeitura de Santa Rita, na região metropolitana de João Pessoa, João Gonçalves comentou. “Eu não decidi ainda. Estou esperando João Azevêdo. Eu não apoio o prefeito que está lá por conta daquela água da ANE. Aquela água foi de uma liminar, aquela água da ANE em Santa Rita tirou a Cagepa dizendo que ia ter água em tudo que é lugar do município, que ia baixar a conta, que ia ter qualidade e não sabiam ligar a bomba. Faltou energia, choveu, a bomba ficou submersa e foram chamar os técnicos da Cagepa. Um escândalo”, ressaltou.

O parlamentar comentou, durante o programa, sobre a relação com o deputado Wallber Virgolino, na Assembleia Legislativa. “Wallber tem que produzir matéria. Como colega meu, todo dia dá um abraço em mim e faz um vídeo. Tem que fazer mídia”, pontuou.

Já em relação ao secretário de Educação da Paraíba, Antônio Roberto de Araújo Souza, ele disse que está em crise com a Assembleia. “O modelo de educação que ele está colocando é bom, mas tem artigos que conflitam e aí tem que ter uma discussão maior. Eu não tenho nada contra ninguém”.

João Gonçalves comentou que a maior dificuldade do governador João Azevêdo hoje, quando cria uma escola em tempo integral, é que parte do alunado não quer ficar dois turnos presa na escola. “Lula fez o negócio de pagar, João já está pensando também. Ele já está pensando porque nas escolas que não são integrais não tem vaga e, nas que são, estão sobrando vagas”.