‘Fiquei sem reação’, diz nutricionista que denuncia empresário por passar a mão nas partes íntimas dela

A nutricionista que denunciou um empresário por crime contra a dignidade sexual afirmou que sentiu “raiva, impotência e tristeza” ao ser tocada sem consentimento. Larissa Duarte se pronunciou pela primeira vez sobre o caso desde o dia do crime, em 15 de fevereiro, em entrevista à TV Verdes Mares, nesta terça-feira (19). (veja vídeo abaixo)

Imagens de câmeras de segurança do prédio comercial onde a vítima trabalha flagraram o momento em que o homem aproveitou que ela estava saindo do elevador para tocar nas nádegas dela. As câmeras também registraram a placa do carro utilizado pelo homem denunciado. O g1 não conseguiu contato com o homem denunciado até a publicação desta matéria. (leia abaixo)

“Eu não acreditei naquela situação, eu estava num prédio comercial, terminando meu expediente, indo embora, em um prédio cheio de câmeras, e aconteceu isso”, comentou Larissa Duarte, nutricionista vítima do assédio.

“Eu chamei ele, num primeiro momento, de ‘louco’, fiquei sem reação, sem acreditar. Veio também o sentimento de raiva, de impotência, de tristeza por não estar segura em nenhum momento”, acrescentou.

Larissa registrou boletim de ocorrência sobre o caso na mesma data. Em nota, a Secretaria da Segurança Pública afirmou que a Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza investiga o caso como crime contra a dignidade sexual, que estabelece pena de três a seis anos de prisão em caso de condenação.

“Que ele pague pelo que fez e sirva de exemplo para outros homens não fazerem o que bem entenderem. É isso que quero passar para outras mulheres, para denunciar, expor a situação”, disse.

'Fiquei sem reação', diz nutricionista que denuncia empresário por passar a mãe nas partes íntimas dela — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

‘Fiquei sem reação’, diz nutricionista que denuncia empresário por passar a mãe nas partes íntimas dela — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

O homem denunciado é Israel Leal Bandeira, consultor em uma empresa de investimento. O g1 tenta contato com ele desde segunda-feira (18), mas não conseguiu localizar a defesa. As redes sociais dele foram desativadas após a denúncia, e os telefones da empresa onde ele trabalhou, M7 Investimentos, não atendem nesta terça-feira, devido ao feriado estadual no Ceará.

Em nota divulgada na segunda, a empresa disse que ele foi afastado. “O referido profissional foi afastado de suas atividades na empresa, de imediato e em definitivo, sem prejuízo do exercício do seu direito de defesa junto às instâncias competentes”, diz a nota da empresa.

g1