Paraíba tem mais de cinco mil casos de arboviroses e cinco mortes, afirma Ministério da Saúde

Um balanço dos casos de arboviroses feito pelo Ministério da Saúde confirmou que a Paraíba tem mais de cinco mil casos prováveis de dengue e chikungunya. Os dados dessa quinta-feira (21), traz cinco casos de mortes confirmadas pela doença.

De acordo com os dados, o Estado possui atualmente  4,517 casos prováveis de dengue, três mortes pela doença e duas em investigação.

Já para chikungunya, o Ministério da Saúde já contabilizou 588 casos prováveis e duas mortes pela doença.

Evite a automedicação

O Ministério da Saúde reforça que em caso de suspeita de ambas as doenças é importante aumentar a hidratação e evitar a automedicação. Além disso, é possível realizar testes para identificar a exata enfermidade e fazer o tratamento adequado. O diagnóstico correto só pode ser feito pelo médico. Busque assistência na unidade de saúde mais próxima.

Prevenção

O controle dos criadouros de Aedes aegypti, as barreiras mecânicas para evitar que o mosquito entre nas residências, como telas em portas e janelas, o uso de inseticidas, de roupas apropriadas e de repelentes estão entre as recomendações para evitar a contaminação. O uso de inseticidas por vaporização ambiental, também chamada de nebulização espacial ou fumacê, ou domiciliar, também está entre as medidas recomendadas.

Segundo a Febrasgo, as gestantes devem priorizar o uso de repelentes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como picaridina, icaridina, N,N-dietil-meta-toluamida (DEET), IR 3535 ou EBAAP.

Outra variável importante é a preferência de cor para a qual o mosquito é atraído. A Febrasgo recomenda evitar o uso de roupas de cor vermelha, azul, alaranjada ou preta. Por sua vez, a cor branca não atrai o mosquito.

Recomendações

Em casos de infecção com menor gravidade, a orientação é repouso e aumento da ingestão de líquidos. Gestantes com dengue requerem avaliação diária, incluindo repetição do hemograma até 48 horas após a febre desaparecer.

Se o estado for grave, com sinais de alarme, a internação é indicada. Em situações de choque, sangramento ou disfunção grave de órgãos, a paciente deve receber tratamento em uma unidade de terapia intensiva.

*Com Agência Brasil e Ministério da Saúde