João Azevêdo culpa Bolsonaro pela guerra de facções e aumento da violência: “absurdo liberar armas”

O governador João Azevêdo criticou o ex-presidente Jair Messias Bolsonaro pelo aumento da violência no país. O governador citou que o ex-presidente é o principal responsável pela liberação de armas de forma indiscriminada durante seu governo. Foram ao todo 904.858 registros para aquisição de armas entre 2019 e 2022, indicam dados do Exército,

“Então a luta de facções que está acontecendo, que é espalhado pelo Brasil todo e que a gente tem um trabalho muito grande, todos os dias fazendo operação, todos os dias aprendendo armas, infelizmente, esse país em algum tempo atrás se cometeu o absurdo de liberar armas de uma forma indiscriminada, um cidadão comum poder adquirir até 600 armas”, desabou Azevêdo.

Bolsonaro tinha entre suas principais pautas o armamento da população. O número de pessoas com certificado de CAC deu um salto no governo Bolsonaro. Cresceu 474%, segundo dados do Anuário de Segurança Pública, que considera licenças para atividades de caçador, atirador desportivo e colecionador concedidas até 1º de julho de 2022. O número de pessoas com registro de CAC passou de 117,5 mil em 2018, antes de Bolsonaro assumir, para 673,8 mil.