Justiça marca júri de mãe acusada de matar filho com deficiência na Paraíba

O Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) marcou para o dia 29 de abril o júri de Ivonete Pereira da Silva, mãe acusada de matar o filho com deficiência intelectual em setembro de 2016.

O jovem tinha 21 anos à época do acontecido. Ele foi encontrado morto dentro de uma cisterna do sítio onde morava, em Massaranduba, no Agreste paraibano. Ele tinha paralisia cerebral e síndrome de down.

Relembre o caso

O jovem de 21 anos, que tinha síndrome de down e paralisia cerebral, foi encontrado morto dentro da cisterna do sítio em que morava, na zona rural de Massaranduba, no Agreste da Paraíba. O caso aconteceu na manhã do dia 4 de setembro de 2016.

De acordo com informações da polícia e do Samu, a mãe da vítima, que era agricultora, seria a suspeita de ter jogado o jovem dentro da cisterna. Testemunhas afirmaram que após jogam o filho, a agricultora tentou se matar, mas foi resgatada pela filha mais nova, de 16 anos.

A filha da suspeita relatou que acordou e não encontrou o irmão, que dormia em uma cama ao lado. Ao procurar pela mãe e pelo irmão, a adolescente encontrou o par de sandália da mãe próximo a cisterna e quando olhou para dentro do reservatório, achou o irmão e a mãe na água. O jovem foi retirado morto, mas a agricultora ainda estava viva e foi socorrida pelo Samu.

A mãe foi encaminhada para um hospital, passou por procedimentos médicos e foi liberada ainda na manhã deste domingo. Em seguida, ela foi encaminha para a delegacia de homicídios de Campina Grande.

Na época do crime, os parentes da agricultora afirmaram que ela apresentava sinais de depressão desde que o marido morreu em fevereiro de 2016.