VERGONHA NACIONAL: salário do prefeito de Patos aumenta 70%; de R$ 17 mil para R$ 28 mil

Tema causou revolta nos moradores de Patos e até a parlamentares da Câmara. Projeto que concede o reajuste foi votado nessa quinta-feira.

O reajuste aprovado pela Câmara de Vereadores de Patos, município do Sertão paraibano, virou vergonha nacional. O prefeito Nabor Wanderley será um dos beneficiados com o aumento, passando a ganhar R$ 28 mil a partir de 2025.

Como publicado pelo ClickPB, o reajuste aprovado em primeira votação na Câmara de Patos também concede aumento para vice-prefeito, secretários, secretários adjuntos e aos próprios vereadores. Veja abaixo como vai ficar o salário de cada um dos agentes públicos citados:

  • Prefeito: Aumento de R$ 17 mil para R$ 28 mil.
  • Vice-prefeito: 50% do salário do prefeito, totalizando R$ 14 mil.
  • Secretários: R$ 13 mil para titulares e equivalentes, R$ 5 mil para adjuntos.
  • Vereadores: R$ 17 mil, com R$ 22 mil para o presidente da Câmara.

O tema causou revolta nos moradores de Patos e até a parlamentares da Câmara. O ClickPB noticiou que o vereador Jamerson Ferreira (MDB) criticou o aumento dos salários. Para ele, a situação é um verdadeiro “tapa na cara” da sociedade.

“Quando em um país em que professores, em que várias categorias estão parando, estão pedindo revisão salarial e de uma lapada só, num tapa na cara só, 70% em média de aumento foi para classe política administrativa de Patos. É uma controvérsia, é uma verdadeira falta de vergonha para como a representação”, declarou o vereador, que votou contra a medida.

Já a vereadora vereadora Valtide Santos alegou que o prefeito, o vice, os secretários e os vereadores estão há 12 anos sem reajuste. A fala, concedida ao programa Arapuan Verdade, da Arapuan FM, foi para tentar justificar a medida.

“Quero deixar bem claro que a última vez que esse projeto foi tramitado na Casa Legislativa, na Câmara de Patos, foi no ano de 2012. Há 12 anos esse projeto não tramitava e que os salários do prefeito, secretários e vereadores permanecem os mesmos”, afirmou a vereadora.

FONTE: CLICKPB