Tecnologias impulsionam qualidade e produtividade do café da agricultura familiar no Sudoeste

Antes, a comunidade enfrentava desafios como a secagem do café, o que depreciava a qualidade do produto.

Na Bahia, a adoção de tecnologias na cafeicultura tem revolucionado a vida dos agricultores familiares, elevando não apenas a qualidade do café, mas também a produtividade e a rentabilidade das comunidades rurais. Um exemplo disso é a Associação Comunitária Baixa do Lico, do município de Planalto, no Sudoeste baiano, que viu sua realidade transformada pela chegada de maquinários e equipamentos modernos entregues pelo Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR).
Antes, a comunidade enfrentava desafios como a secagem do café, o que depreciava a qualidade do produto. Hoje, com investimentos em despolpadores móveis, estufas para secagem, beneficiadoras e implementos agrícolas como tratores, grades, arados, roçadeiras e pulverizadores, a realidade mudou completamente.
A agricultora Marilene Moreira, residente na comunidade há 34 anos, ressalta a importância desses avanços. “Nosso café era seco de qualquer jeito, sujeito à chuva e ao sol. A chegada de máquinas como beneficiadora, despolpadora e trator melhorou bastante a nossa vida. O café fica com mais qualidade e o trabalho se tornou mais eficiente”.
O despolpador móvel tem sido uma peça-chave nessa transformação. Segundo Marilene. “Quando a gente despolpa o café, fica melhor, com mais qualidade. Com o despolpador, seca ainda mais rápido que na estufa, ganhamos mais tempo e temos a melhoria da qualidade, tornando o café especial”.
Além disso, a presença do trator na rotina dos agricultores otimizou diversas atividades, desde o transporte do café da roça até a preparação do solo. “Com o apoio da CAR, avançamos no sistema produtivo do café. Temos os despolpadores móveis e a beneficiadora, que são fundamentais para a qualidade do nosso café. Antes vendíamos nossa produção para atravessadores, por um custo bem baixo, agora, o nosso café tem valor e repassamos para a maior cooperativa do Sudoeste que é a Cooperbac, por um preço justo”, destaca Marcelo Souza, vice-presidente da Associação.
Outra associação beneficiada pelas melhorias na produção de café é a Associação dos Pequenos Produtores Rurais da região de Parafuso, em Planalto. Nailton Pereira dos Santos, membro da associação, também destaca a importância das máquinas. “O trator beneficia os associados que precisam carregar o café da roça, arar a terra, entre outras atividades. Além disso, com a assistência técnica ganhamos conhecimento para cuidar no nosso café, que é a nossa fonte de renda”.
Eurides Silva, que trabalha com café há 17 anos, ressalta a importância dos equipamentos modernos. “Cada máquina foi um grande ganho. Melhorou o tempo de trabalho e diminuiu o nosso desgaste físico”.
Com a adoção dessas tecnologias, a agricultura familiar na Bahia se fortalece, impulsionando não apenas a economia local, mas também garantindo a produção sustentável de um café de alta qualidade, reconhecido nacional e internacionalmente.
ClickPB