Mulher morre na mesma agência bancária em que ‘tio Paulo’ foi levado pela sobrinha

A mulher chegou à agência pouco antes das 13h, sem problemas de saúde aparentes. Assim que entrou, sentiu-se mal. “Todos os protocolos de emergência foram imediatamente acionados, incluindo socorro médico”, afirmou o banco, em nota.

Vinte e dois dias depois de uma mulher levar o tio a uma agência do banco Itaú em Bangu (zona oeste do Rio) para fazer um empréstimo com ele já morto no momento da assinatura da documentação, nesta quarta-feira, 8, uma senhora de 60 anos morreu ao sofrer um mal súbito no mesmo local.

A mulher chegou à agência pouco antes das 13h, sem problemas de saúde aparentes. Assim que entrou, sentiu-se mal. “Todos os protocolos de emergência foram imediatamente acionados, incluindo socorro médico”, afirmou o banco, em nota.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado, mas, quando chegou, a mulher já estava morta. A agência foi fechada, “em respeito à vítima, clientes e colaboradores”, segundo o Itaú. “Os funcionários foram acolhidos e receberão todo apoio psicológico necessário”, concluiu o banco.

Tio Paulo

Em 16 de abril, Érika de Souza Vieira Nunes, de 42 anos, foi à mesma agência levando em uma cadeira de rodas o tio Paulo Roberto Braga, de 68 anos, para fazer um empréstimo em nome dele no valor de R$ 17 mil.

Durante o atendimento, Érika conversava normalmente com Braga, que não esboçava nenhuma reação. O Samu foi chamado e constatou que o idoso estava morto.

Ela foi presa – em 2 de maio deixou a prisão, para responder a processo em liberdade – e é acusada por tentativa de estelionato e vilipêndio de cadáver. Ainda está sendo investigada pela Polícia Civil do Rio por homicídio culposo (não intencional), por ter levado o tio ao banco em um momento em que ele precisava de cuidados médicos.

Érika afirma que não percebeu que o tio estava morto.

ESTADÃO CONTEÚDO