Presidente volta a pôr corte de gastos em xeque, e dólar vai a R$ 5,51

0
276
© iStock

Lula voltou a descartar a desvinculação do Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas com deficiência e de baixa renda, da política de valorização do salário mínimo, por não considerar o benefício como gasto

Sob pressão para equilibrar as contas públicas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira, 26, que o governo realiza um pente-fino nos gastos da União, mas que é necessário saber se o “problema” é “cortar (gastos) ou aumentar a arrecadação”. Ainda segundo ele, essa discussão está sendo feita com “muita tranquilidade”, sem “levar em conta o nervosismo do mercado”.

A reação no mercado não demorou a aparecer: o dólar, já pressionado por fatores externos, deu um salto ainda no meio da manhã, e não recuou mais. Fechou a R$ 5,51, uma alta de 1,19%, no maior patamar desde 18 de janeiro de 2022. Nem o decreto formalizando o sistema de meta contínua de inflação nem as falas do secretário do Tesouro, Rogério Ceron, de que a equipe econômica tem “apoio total” de Lula, deram alívio. Só neste mês, a moeda acumula valorização de 5,12%.

“Estamos fazendo uma análise de onde tem gasto exagerado, que não deveria ter, onde tem pessoas que não deveriam receber e estão recebendo. E com muita tranquilidade, sem levar em conta o nervosismo do mercado, levando em conta a necessidade de manter uma política de investimento”, disse Lula, em entrevista ao portal UOL. Em outro momento, porém, afirmou que o problema é outro: “O problema não é que tem de cortar, o problema é saber se precisa efetivamente cortar, ou se a gente precisa aumentar a arrecadação. Temos de fazer essa discussão”.

Ainda na entrevista, Lula voltou a descartar a desvinculação do Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas com deficiência e de baixa renda, da política de valorização do salário mínimo, por não considerar o benefício como gasto. Também negou a intenção de rever a regra que garante reajuste real (acima da inflação) do salário mínimo – e que serve de indexador, por exemplo, para benefícios previdenciários.

“Salário mínimo é o mínimo que uma pessoa precisa para sobreviver. Se acho que vou resolver o problema da economia brasileira apertando o mínimo do mínimo, estou desgraçado. Não vou para o céu, ficaria no purgatório”, disse.

Para o economista-chefe do Banco Pine, Cristiano Oliveira, o governo “vai ter de provar a cada resultado primário e a cada reunião do Copom que está realmente comprometido com as metas fiscais e que o BC é autônomo”.

No fim do dia, em entrevista a jornalistas, Lula ironizou a reação do mercado (“devem ter gostado”) e disse que o Brasil “vive um bom momento”. “Eu sei como faz, mas muito depende da circunstância econômica, do dólar nos EUA. Lamentavelmente, é assim. Mas temos de ter consciência de que o Brasil vive um bom momento”, disse ele. “Não olhe a economia brasileira apenas pela macroeconomia que aparece na televisão.”

Lula elogia Galípolo, mas diz que ainda não pensa na sucessão do BC

Lula da Silva afirmou que o diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, é “um companheiro altamente preparado”, mas que ainda não está pensando em quem vai escolher para ocupar o cargo de presidente do BC no lugar de Roberto Campos Neto – cujo mandato se encerra em dezembro. Ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda, Galípolo é visto até agora no mercado como o candidato mais forte ao posto.

Em entrevista ao portal UOL, Lula mencionou reunião na terça-feira, 25, no Palácio do Planalto, que contou também com a participação de Galípolo, na qual o presidente deu sinal verde para a implantação de uma meta contínua de inflação a partir de 2025 (mais informações na pág. B4). “O Galípolo veio aqui numa reunião em que a gente estava discutindo a meta inflacionária. A novidade foi estabelecer a meta contínua”, disse.

Na sequência, Lula citou Galípolo como “companheiro preparado”. “O Galípolo é um companheiro altamente preparado, conhece muito o sistema financeiro, mas eu ainda não estou pensando na questão do Banco Central. Chegará o momento em que vou pensar, e vou indicar um nome para presidente do Banco Central.”

Na semana passada, Lula chegou a dizer que o novo presidente do BC será uma “pessoa madura” que não priorize apenas o controle da inflação. “Nós temos de pensar também no crescimento.” Hoje, a única meta perseguida pelo BC é a da inflação. O receio no mercado é de que o governo passe a ter uma ingerência mais direta na definição dos juros a partir de 2025.

Autonomia

Lula voltou a criticar a autonomia do BC, status concedido por uma lei aprovada no Congresso em 2021 e que pode ser ampliada agora por uma nova proposta sob análise dos parlamentares. “Não preciso de uma lei para dizer que tem autonomia, eu preciso respeitar a função do Banco Central”, disse. “A pergunta que faço é a seguinte: o Banco Central tem necessidade de manter a taxa de juros a 10,5% quando a inflação está a 4%?”, questionou ele.

Lula prosseguiu: “O Banco Central leva em conta que pessoas estão tendo dificuldade em fazer financiamento? Porque é o seguinte, cara, não é culpa sequer do Banco Central, é culpa da estrutura que foi criada.”

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC interrompeu um ciclo de sete cortes consecutivos da taxa básica de juros (iniciado em agosto do ano passado) e manteve a Selic em 10,50% ao ano. O resultado era amplamente esperado pelo mercado, em meio ao impasse do governo na condução da política fiscal e ao aumento das expectativas de inflação.

Mais do que o resultado, porém, a grande expectativa dos agentes econômicos era sobre o placar da decisão, depois do racha no colegiado em maio. Desta vez, houve consenso entre os integrantes do Copom para interromper os cortes.

Por Notícias ao minuto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui