Vereador da Serra da Raíz (PB) vem a público esclarecer os últimos acontecimentos envolvendo seu nome

0
408
Imagem: Reprodução

O vereador Rafael Lisboa, da Serra da Raíz, agreste paraibano, veio a público por meio da Rádio Rural de Guarabira, esclarecer os fatos que envolveram o seu nome na última quinta-feira (5).

Segundo algumas informações divulgadas, no mesmo dia, o vereador foi citado como tendo sido preso por porte ilegal de arma durante uma blitz, na Capital do Estado, João Pessoa.

Porém, com a repercussão do ocorrido, Rafael Lisboa fez uma participação ao vivo por telefone, durante o Programa Balanço 850, da Rádio Rural, para falar sobre o que aconteceu e esclarecer os fatos.

Ele falou que na última quinta-feira (5), estava conduzindo o seu carro, após ter ido pegar algumas pessoas no Bairro Altiplano, em João Pessoa, para ir à Serra da Raiz. Porém, durante o trajeto, quando já estava com as pessoas dentro do veículo, foi parado por uma blitz. Os policiais pediram que todos os ocupantes do carro descessem. Após averiguação, foi constatado que ele estava em posse de uma arma.

“Eu não fui preso. Fomos para a delegacia, para a Central de Flagrantes, no Bairro do Geisel, e eu fui dirigindo meu carro, junto com os passageiros e eleitores. Lá, dei a minha versão para o delegado que, como eu sou uma pessoa que gosto de armas, apesar de ser uma pessoa do bem e nunca ter atirado em ninguém… Há uns três anos atrás, aqui na rua de casa (João Pessoa), houve um assalto e eu vi que o bandido deu um vacilo e o revólver caiu no chão. Ele acelerou a moto, então eu peguei esse 38 pra mim.”

Rafael Lisboa falou que a arma estava quebrada, mas que ele mandou consertá-la.

“Eu não sabia que tinha restrição. Ajeitei esse revólver e fiquei com ele pra mim. Eu relaxei em relação a isso. Nunca fui parado em blitz. Mas eles fizeram o papel deles. […] falou. 

Ainda segundo o vereador, após chegar à delegacia, conversou com o delegado e foi liberado sem nenhuma restrição.

“Não tive nenhuma restrição saindo da delegacia. Sou um homem público. Pegaram meu telefone, meus endereços, porque eu tenho três endereços. […] Vou ser candidato normalmente. Até que seja julgada essa questão do porte ilegal de arma, eu vou poder ser candidato esse ano até o processo ser julgado. A gente vai tentar resolver com os advogados essa questão.” disse Rafael Lisboa. 

Rafael ainda completou sua fala, afirmando que o povo fica “querendo denegrir” a sua imagem, falando que ele estava preso ainda e que havia pagado fiança.

“Eu não gastei um real. Não fui preso, estou na minha casa. Em relação a isso, estou tranquilo, nada vai difamar a minha imagem em relação a uma coisa isolada. Sou um homem de bem.” completou o vereador. 

 

Redação Nordeste 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui