Abatido, Coudet transformou entrevista em debate após derrota do Internacional

0
147

Treinador colorado citou série de dificuldades que fogem de sua alçada para justificar revés para o Vasco da Gama no retorno do Beira-Rio

Eduardo Coudet demonstrou abatimento na entrevista coletiva após a derrota por 2 a 1 para o Vasco da Gama, na noite deste domingo (7), pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro, que marcou o retorno do Internacional ao Beira-Rio após 70 dias.

Muito xingado pela torcida colorada, principalmente depois do segundo gol do Vasco, Coudet se defendeu citando as várias dificuldades enfrentadas pelo Inter nos últimos meses, e que fogem de sua alçada. Para isso, em muitos momentos transformou a entrevista em uma espécie de debate com os repórteres.

Coudet justifica não utilização de Gabriel Carvalho por conta da juventude do meia

A primeira discussão envolveu o jovem meia Gabriel Carvalho, de 16 anos, que não foi mais utilizado por Coudet desde que estreou pelo profissional do Inter com assistência na derrota por 2 a 1 para o Vitória.

Foi citado ao treinador colorado que o Palmeiras, por exemplo, colheu frutos nos últimos anos por lançar mão de suas pratas da casa.

— Lembro uma coletiva que falaram se o Gustavo Prado não havia ingressado tarde. No outro jogo iniciou, e não foi seu melhor jogo. Que iam falar? Que iniciou muito cedo? Sempre vão falar, quando não dá certo, quando não se ganha, de quem não jogou. Mas estamos falando de um garoto de 16 anos. É muito mais fácil pôr garotos em uma estrutura, em um time que vem ganhando — retrucou Coudet.

Mais uma vez, Coudet cita reflexos das enchentes para justificar dificuldades do Internacional

O treinador argentino foi questionado sobre o porquê do Inter não apresentar mais a marcação alta e pressão no campo do adversário, que sempre foram marcas do seu trabalho. Assim como em entrevistas coletivas anteriores, Coudet lembrou do reflexo que a tragédia climática de maio, no Rio Grande do Sul, teve em sua equipe.

— Inundou, tivemos 30 dias parados, e jogamos a cada 72 horas. Não tem como. Fisicamente, não tem como. É uma maneira de jogar, de pensar, vocês sabem que é um estilo de jogo que gosto, mas hoje não é possível. Praticamente não treinamos do último jogo para este — rememorou.

Coudet lamenta ausências de Borré e Valencia

Coudet também lamentou, mais uma vez, os desfalques. Frisou que o time elogiado pelo desempenho no início de 2024 se descaracterizou. Principalmente do sistema ofensivo, que devido à disputa da Copa América, novamente não contou com Rafael Borré e Enner Valencia.

Oriundo das categorias de base, Lucca Drummond foi titular contra o Vasco, e Lucas Alario, desgastado, entrou no segundo tempo.

— Temos bons definidores, geramos situações, e não convertemos. Treinamos definição, treinamos tudo. Temos dois dos melhores atacantes da América do Sul, mas em quantos dos 13 jogos tivemos Valencia e Borré? Só contra o Cuiabá. É difícil. Mas o responsável do resultado, do que se apresenta, da falta de gols, sou eu — ironizou Coudet.

Internacional no Campeonato Brasileiro 2024

  • 10º colocado com 19 pontos em 13 jogos
  • 5 vitórias, 4 empates e 4 derrotas
  • 48% de aproveitamento
  • 12 gols feitos e 11 gols sofridos

Por Trivela

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui