Com muito choro e desespero terminou o passeio pela orla para minha filha de apenas 5 anos no último sábado.

3775

Tentávamos consolar a pequena, mas ela estava desesperada de dor e de medo, após ser atingida no pescoço por um tiro de airsoft que, até agora, não sabemos de onde partiu.

Após uma noite muito divertida em que, depois de jantar, resolvemos caminhar pela orla de João Pessoa, até a feirinha de Tambaú. Estávamos voltando pela calçadinha, ela, minha esposa e eu, quando de repente, ela leva a mão no pescoço e começa a chorar dizendo que alguém tinha batido nela. Mas ninguém havia passado ao nosso lado no momento.

Fui olhar o que erra e vi uma ferida com um grande hematoma ao redor. Por alguns instantes, pensei que ela poderia ter sido atingida por uma bala perdida, mas ao analisar a ferida, vi que não havia perfuração, então imaginei que poderia ter sido um tiro de chumbinho.

Alguém, entre as pessoas que já se juntavam em volta, sugeriu que poderia ser um tiro de airsoft, mas ao ouvir isso, o desespero dela aumentou ainda mais. Ela pensava que iria morrer e perguntava por que haviam atirado nela.

Na verdade, essa é a pergunta que eu me faço até agora.

Pensei que poderia ter sido um acidente, mas uma pessoa do quiosque disse que isso já havia ocorrido outras vezes com clientes do restaurante.

Falamos com a polícia, buscamos imagens das câmeras de segurança e, pouco tempo depois, encontramos no chão, a bala que, provavelmente atingiu ela. Uma esfera maciça de 6mm de diâmetro.

Queria esquecer o ocorrido naquela noite, mas imagino que, se esse infeliz continuar fazendo isso, uma hora ele vai acertar o olho de alguém e acabar provocando uma sequela bem maior que a que ele deixou na minha filha.

Então, se alguém souber quem anda fazendo isso, por favor, denuncie. Do contrário será cúmplice de algo bem mais sério que pode ocorrer se ele continuar “brincando” dessa forma.