Após Cícero Lucena ser alvo de ataques virtuais por meio de disparos em massa nas redes sociais e aplicativos de mensagens, com vídeos depreciativos contra ele, o setor jurídico da campanha do candidato progressista deverá acionar, ainda hoje, o Ministério Público Eleitoral.

Ainda conforme a assessoria do candidato o caso pode inclusive parar na Polícia Federal.

O fato é que a equipe de suporte técnico e de análise de dados que atua na campanha de Cícero verificou que a divulgação dos vídeos teria partido de um número de telefone de Brasília, com final 0015.

Desde 2019, após publicação de uma resolução do TSE, o disparo em massa de mensagens com fins eleitorais em aplicativos como o WhatsApp é proibido, tendo o órgão feito uma parceria com a plataforma de troca de mensagens e criado um canal para receber denúncias de contas suspeitas.

PB Agora