O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, deputado Adriano Galdino, declarou que os aumentos de salários aprovados em diversas Câmaras Municipais no estado para prefeitos, vereadores e secretários é um absurdo. Em entrevista ao Arapuan Verdade desta terça-feira (22), o parlamentar disse que o reajuste “não tem sentido nenhum diante dessa situação que passa a Paraíba”.

“Eu acho um absurdo. Eu acho que não tem sentido nenhum diante dessa situação que passa a Paraíba, esses aumentos de valores de salários de vereadores e prefeitos, principalmente agora depois da eleição”, pontuou o presidente da ALPB.

Adriano Galdino acrescentou que, “se alguém tivesse que reajustar, que tivesse reajustado antes e não agora depois da eleição, já com os beneficiários, já sabendo quem serão os vereadores, muitos dos quais estão legislando em causa própria, que são os eleitos que estão no poder atual, que são os vereadores atuais. Isso deve ser repensado. Eu quero parabenizar a Justiça por estar tomando as devidas providências”, declarou, mencionando o veto que o Poder Judiciário deu ao aumento de salários para políticos e secretários na Capital.

Eleições 2022

O presidente da ALPB também mostrou que se dispõe a disputar eleição para o Governo da Paraíba em 2022. “Ainda não me posicionei sobre meu futuro político. Ainda vou conversar com meus amigos, com meu partido, com o governador João Azevêdo. Mas tudo é possível. Eu posso, sim, disputar a chapa majoritária, o Senado, a Câmara Federal ou posso continuar também deputado estadual. Tudo isso vai ser fruto de um diálogo. A decisão não passa só por minha vontade. Passa também pela vontade do grupo político ao qual eu pertenço. E esse grupo vai dar o encaminhamento que é melhor para todos nós.”

Duodécimo e déficit

Galdino disse que a produção da ALPB, “além de grande, é uma produção qualificada”. Ele comentou sobre o duodécimo, diminuição do déficit e emendas impositivas. Serão pouco mais de R$ 300 milhões em 2021 para a Assembleia Legislativa da Paraíba. “Todos os anos era comum, no final do ano, o presidente da Assembleia sempre pedir uma complementação financeira para concluir os pagamentos da Assembleia. Esse ano faltaram R$ 200 e poucos mil reais para a Assembleia honrar todos os seus compromissos. No ano que vem nós vamos zerar esse déficit para que a gente possa adequar a despesa ao duodécimo da Casa, para que a gente não sacrifique o Tesouro estadual. Já houve época de o complemento do Estado ser superior a R$ 20 milhões. Esse ano agora foram pouco mais de R$ 200 mil. E a nossa intenção em 2021 é a gente não utilizar o duodécimo todo. Se for possível, até devolver uma parte para o Governo do Estado porque esse ano nós fizemos doações com recursos do duodécimo. Apesar de ter faltado só R$ 200 e poucos mil, mas nós doamos R$ 2 milhões ao Governo do Estado para que esse dinheiro fosse gasto no combate ao Covid.””

Emendas impositivas

Segundo Adriano Galdino, as emendas impositivas já estarão valendo no orçamento de 2021. “Já está valendo, sim. Cada deputado teve direito a um milhão cento e ‘alguma coisa’. Já vai valer para o orçamento de 2021. Quero abrir um parêntese para agradecer ao governador João Azevêdo pela sua sensibilidade. Fez história como primeiro governador que abriu, concedeu, dialogou com o Poder Legislativo para que pudéssemos implementar as emendas impositivas, atendendo não só os deputados da base como também os de oposição. Quero deixar que esse dinheiro os deputados repassam para as prefeituras e entidades filantrópicas para que possam utilizar esse valor em benefício dos habitantes de cada município.”

Click PB