O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quarta-feira (3), na cerimônia de abertura do ano legislativo, que pretende “romper a paralisia” da Casa legislativa. Ele fez críticas veladas ao seu antecessor, Rodrigo Maia (DEM-RJ), falando da necessidade de empoderar os deputados e reduzir decisões individuais.

 

“Poderemos romper a nossa própria paralisia interna provocada por problemas políticos passageiros, que a história sequer irá registrar”, afirmou.
A cerimônia que marca o início do ano legislativo começou pouco após as 16h e conta com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

O novo presidente da Câmara destacou na parte final de seu discurso o compromisso de reduzir a concentração de poder. Essa era uma crítica de setores governistas à atuação de Rodrigo Maia à frente da Câmara.
Lira defendeu uma mudança “profunda” do funcionamento e da dinâmica do processo de decissões, “com menos concentração do poder e mais empoderamento dos deputados, dos ritos previstos no regimento, do Colégio de Líderes, das instâncias da Casa, e com menos decisões individuais e mais coletivas”, disse.

Lira falou também sobre a pandemia de covid-19, exaltou os benefícios trazidos pelo auxílio emergencial e pediu uma pauta emergencial a ser decidida pelo Colégio de Líderes.

Ele falou na necessidade de um esforço concentrado de diferentes poderes e instituições em prol da vacinação contra a pandemia de covid-19, “abrindo quem sabe novas opções de novas vacinas, que já estão disponíveis nos mercados mundiais”.