No momento em que as conversas entre governo e Congresso sinalizam para novas rodadas de pagamento do auxílio emergencial, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (11) que o benefício criado para auxiliar famílias em meio à pandemia do novo coronavírus “não pode ser eterno”.

 

“No momento, a nossa equipe, juntamente com parlamentares, estuda a extensão por mais alguns meses do auxílio emergencial. E repito, o nome é emegencial. Não pode ser eterno, porque isso representa um endividamento muito grande ao nosso País”, disse Bolsonaro durante cerimônia para a entrega de títulos de propriedade na cidade de Alcântara (MA).

Os estudos desenvolvidos pela equipe econômica apontam para três pagamentos adicionais do auxílio no valor de R$ 200 cada. O custo estimado da liberação seria de, aproximadamente, R$ 20 bilhões aos cofres públicos.