O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), minimizou nesta terça-feira (23) a interferência do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras e chamou de “bolha histérica” a reação do mercado financeiro à troca do presidente da estatal.

 

Descontente com a política de preços da petroleira, Bolsonaro anunciou na sexta-feira (19) a indicação do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor da Itaipu Binacional, para a presidência da Petrobras, no lugar de Roberto Castello Branco.

A mudança gerou muitas críticas e teve impacto na negociação das ações da estatal, que perdeu valor de mercado.

“Criou um clima – sem nenhum tipo de adjetivação – que, para mim, é uma bolha histérica”, afirmou Lira durante participação em uma live promovida pelo jornal “Valor Econômico”..

“Todos os grandes influenciadores do mercado estão aconselhando comprar [ações da] Petrobras. Então, será que o ex-presidente da Petrobras era o único que poderia ter a fórmula do cálculo ideal de como é que é feita a conta do combustível, do óleo e da gasolina? Não”, completou.

Segundo o presidente da Câmara, não há nenhum indicativo de ingerência do Palácio do Planalto na política de preços da empresa.

Saiba mais: Como são formados os preços da gasolina e diesel?

“Não há nenhuma previsão de ingerência. Não houve nenhuma conversa aqui em Brasília, que eu tenha tomado conhecimento, de ingerência nos preços, de congelamento, de voltarmos a épocas anteriores”, disse.