O senador Major Olímpio (PSL-SP), morreu nesta quinta-feira (18/03) por consequências da covid-19. Ele teve morte cerebral e estava internado desde o início do mês no Hospital São Camilo, na Zona Oeste da capital paulista. A família esperará 12 horas para decidir sobre a doação de órgãos do parlamentar. Ele completaria 59 anos no domingo (20/03).
É o terceiro senador vítima da doença. O primeiro a morrer foi Arolde de Oliveira (PSD-RJ), em outubro de 2020, depois, foi José Maranhão (MDB-PB), em fevereiro. O Senado está consternado. E deve aumentar a pressão sobre o governo para o combate ao novo coronavírus. Dois senadores estão internados: Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Lasier Martins (Podemos-RS).
Olímpio estava intubado desde o último dia 6 e um assessor dele, também com covid-19, está com boa parte do pulmão comprometido. O senador foi eleito na onda da nova política, em 2018, na esteira do presidente da República, Jair Bolsonaro. Os dois, no entanto, se tornaram inimigos políticos.
O primeiro suplente do Major Olímpio é o empresário paulista Alexandre Luiz Giordano e, o segundo, o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, o astronauta Marcos Pontes.
Vários parlamentes lamentaram a morte de Olímpio. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que deve receber alta hospitalar nesta sexta-feira (19) do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, foi um deles. “Muito triste, momento muito duro para cada um de nós. Olímpio morreu lutando na linha de frente, do mesmo jeito guerreiro que sempre viveu. Que Deus console a família. E que o exemplo de coragem arraste. O Brasil está doente e precisa de cada um de nós”, escreveu Vieira nas redes sociais.
O ex-presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), escreveu se solidarizou com a família e amigos do parlamentar paulista. “Infelizmente, o senador é mais uma vítima da Covid-19. O Brasil e o Senado perdem um de seus mais combatentes políticos.”
O senador petista Jacques Wagner (BA), também lamentou, nas redes sociais, a “morte prematura” do senador paulista e citou que era um “líder combativo, com muita energia. “Tínhamos divergências, mas um grande respeito e boa convivência. Me solidarizo com seus familiares e reafirmo a urgência de termos vacinas para todos os brasileiros e brasileiras”, acrescentou.


A solenidade do Congresso Nacional com o presidente Jair Bolsonaro para a entrega da Medida Provisória do auxílio emergencial foi cancelada.
Em nota, o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), lamentou a morte de Olímpio e decretou luto oficial de 24 horas. O democrata divulgou duas notas. A segunda, lamentando a perda do amigo.