Com o baixo ritmo da vacinação e a explosão da segunda onda da covid-19, 71% dos brasileiros veem a recuperação da economia somente a partir do ano de 2022. É o que aponta a terceira edição da pesquisa “Os brasileiros, a pandemia e o consumo”, da CNI (Confederação Nacional da Indústria), que entrevistou 2.010 pessoas por telefone, entre 16 e 20 de abril deste ano.

Segundo a CNI, o sentimento foi influenciado principalmente pela vacinação no Brasil: 83% dos entrevistados consideram o ritmo atual lento, enquanto só 9% já tomaram a primeira dose da vacina e 6%, as duas doses. Entre os que não receberam nenhuma dose, 35% não têm expectativa de serem imunizados ainda neste ano.

Com o baixo ritmo da vacinação e a explosão da segunda onda da covid-19, 71% dos brasileiros veem a recuperação da economia somente a partir do ano de 2022. É o que aponta a terceira edição da pesquisa “Os brasileiros, a pandemia e o consumo”, da CNI (Confederação Nacional da Indústria), que entrevistou 2.010 pessoas por telefone, entre 16 e 20 de abril deste ano.

Segundo a CNI, o sentimento foi influenciado principalmente pela vacinação no Brasil: 83% dos entrevistados consideram o ritmo atual lento, enquanto só 9% já tomaram a primeira dose da vacina e 6%, as duas doses. Entre os que não receberam nenhuma dose, 35% não têm expectativa de serem imunizados ainda neste ano.

De acordo com o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, a aceleração do ritmo da vacinação dos brasileiros contra a covid-19 é imprescindível para a recuperação econômica. “Só a imunização em massa da população contra a doença recolocará o Brasil no caminho da retomada da economia, do dinamismo do mercado consumidor e na rota dos investimentos”, afirma.

R7