A CPI da Covid aprovou nesta quarta-feira (30) a quebra do sigilo bancário do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do agora ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias.

Roberto Dias também teve quebrado o sigilo telemático e telefônico. No caso de Pazuello, as quebras já estavam aprovadas pela comissão, mas agora avançou para a transferência dos dados fiscais e bancários do ex-ministro.

A transferência dos sigilos dos dados foi aprovada em meio a denúncias de irregularidades, cobrança de propina e pressões envolvendo a aquisição de vacinas contra a Covid-19.

Apontado como um dos que pressionaram pela liberação da vacina indiana Covaxin, Roberto Dias foi exonerado na noite desta terça-feira (29), após o jornal “Folha de S. Paulo” publicar entrevista com o representante da Davati Medical Supply no Brasil, Luiz Paulo Dominguetti.

Ao jornal, o empresário disse que o diretor da Saúde pediu propina de US$ 1 por dose da vacina AstraZeneca para a empresa assinar contrato com o ministério.

Também foram quebrados sigilos de empresários, assessores do governo e representantes do chamado “gabinete do ódio”, um dos objetos de apuração da CPI. O blogueiro Allan dos Santos também foi um dos atingidos.

A CPI aprovou ainda novos requerimentos de convocação de autoridades para prestar depoimento.

Sigilos quebrados

A CPI aprovou requerimentos com diferentes alcances sobre a transferência dos sigilos. Confira lista abaixo.

Tiveram aprovadas as quebras de sigilo bancário, fiscal, telefônico e telemático:

  • Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde
  • George da Silva Diverio, ex-superintendente do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro
  • Marcelo Batista Costa, coordenador-geral substituto de aquisições do Ministério da Saúde
  • Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde
  • Empresas Cefa-3 e Lled Soluções
  • Celso Fernandes de Mattos, sócio das empresas Cefa-3 e Lled Soluções
  • Fábio Rezende Tonassi, sócio das empresas Cefa-3 e Lled Soluções
  • Leneir dos Santos Oliveira, sócio da S P Serviços e Locação
  • Jean dos Santos Oliveira, sócio-administrador da S P Serviços e Locação

Tiveram os sigilos telefônico e telemático quebrados:

  • Marcos Eraldo Arnaud, o “Markinhos Show”, publicitário ligado a Pazuello
  • Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos
  • Carlos Eduardo Guimarães, assessor próximo à família Bolsonaro
  • Mateus de Carvalho Sposito, assessor no Ministério das Comunicações
  • Mateus Matos Diniz, assessor no Ministério das Comunicações
  • José Matheus Sales Gomes, assessor da Presidência
  • Tercio Arnaud Tomaz, assessor da Presidência
  • Lígia Nara Arnaud Tomaz, parente de Tercio
  • Allan dos Santos, blogueiro

Teve o sigilo bancário e fiscal quebrado:

  • A empresa S P Serviços e Locação