Duas jornalistas foram atacadas e ofendidas com xingamentos machistas e sexistas nessa sexta-feira (13), durante cobertura da visita da primeira-dama Michelle Bolsonaro a João Pessoa. Apoiadores de Jair Bolsonaro chamaram as profissionais de “vagabunda”, em atos descontrolados e desprovidos de escrúpulos.

A Associação Paraibana de Imprensa (API) externou seu repúdio aos ataques e reafirmou sua defesa à liberdade de expressão e atuação profissional dos jornalistas.

Leia nota na íntegra:

A Associação Paraibana de Imprensa vem a público repudiar veementemente episódios de ataques a jornalistas nesta sexta-feira, 13, em João Pessoa, durante passagem da primeira-dama, a senhora Michele Bolsonaro. Os ataques verbais, que por pouco não evoluíram para agressões físicas, partiram de militantes apoiadores do presidente Bolsonaro, principalmente direcionados a duas jornalistas mulheres, Iracema Almeida, do Jornal A União, e Sandra Macêdo, da rádio 98 Correio FM. Os xingamentos, além de ataques a liberdade de imprensa, são considerados machista e sexista.

Externamos, de forma destacada, nossa total solidariedade às excelentes jornalistas, que prestam um serviço ímpar para a imprensa paraibana. Trabalharemos para que todas estejam seguras em seus papéis de suma importância junto à sociedade deste estado.

Condutas como essa, fustigadas por lideranças políticas, não são aceitáveis em uma democracia, muito menos aceitas por nossa classe. É inadmissível, no exercício de suas atuações profissionais, as jornalistas serem atacadas por discursos descontrolados. Não calarão a imprensa comprometida com o Estado Democrático de Direito e com a atuação profissional de todos os jornalistas.

Seguiremos atuantes na defesa da imprensa livre e profissional. A API se coloca à disposição das profissionais para todo e qualquer auxilio.

Associação Paraibana de Imprensa
13 de agosto de 2021

 

Do paraíbajá