Google, 23 anos: 10 coisas que você talvez não saiba sobre o buscador

Ao completar 23 anos de existência em 2021, o buscador da gigante de tecnologia Google — seu principal serviço — processa, em média, mais de 63 mil buscas por segundo em mais de 150 línguas, de acordo com o site Search Engine Land. Estima-se que 9 em cada 10 buscas feitas na internet sejam feitas por meio do Google.

No processo de tornar-se o principal buscador do planeta, ele também se consolidou como um modelo de negócios, um coletor de informações pessoais e uma plataforma de anúncios, que detém em torno de 30% do mercado de publicidade online.

Cada vez em que você faz uma busca, o Google descobre um pouco mais sobre as suas preferências e hábitos — mas quanto você sabe sobre o Google?

Eis alguns fatos que podem te surpreender:

1. O nome

 

Nome da empresa mais famosa do mundo da tecnologia começou como erro ao soletrar termo matemático — Foto: Getty via BBC

Nome da empresa mais famosa do mundo da tecnologia começou como erro ao soletrar termo matemático — Foto: Getty via BBC

O nome Google nada mais é do que a escrita incorreta do termo matemático “googol” — o número 1 seguindo de 100 zeros.

Há muitas histórias não confirmadas sobre como, nos primeiros dias da empresa, um engenheiro ou um estudante teriam soletrado a palavra incorretamente.

O erro acabou sendo muito usado e se tornou o nome da nova ferramenta.

2. ‘Massagem nas costas’

Sistema de busca do Google tinha nome "massagem nas costas", referindo-se aos links usados para rankear as páginas — Foto: Getty via BBC

Sistema de busca do Google tinha nome “massagem nas costas”, referindo-se aos links usados para rankear as páginas — Foto: Getty via BBC

Os cofundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, chamavam o buscador originalmente de Backrub, a palavra em inglês para “massagem nas costas”.

Mas isso não tinha nada a ver com a massagem real. Era uma referência ao sistema de encontrar e ranquear páginas com base nos links que outros sites faziam para elas.

3. Brincadeiras

Os engenheiros do Google gostam de fazer pegadinhas em algumas buscas, e de espalhar jogos secretos — Foto: Reprodução via BBC

Os engenheiros do Google gostam de fazer pegadinhas em algumas buscas, e de espalhar jogos secretos — Foto: Reprodução via BBC

Os engenheiros e designers do Google gostam de programar pegadinhas em algumas buscas.

Digite, por exemplo, a palavra em inglês askew, que significa torto ou inclinado.

Ou digite o nome do jogador Pelé e veja o que acontece lá embaixo com os links das próximas páginas de resultados.

Notou algo diferente na página?

4. Bodes para cortar grama

 

Empresa diz que usar bodes para aparar a grama é melhor para o meio ambiente do que cortadores — Foto: Getty via BBC

Empresa diz que usar bodes para aparar a grama é melhor para o meio ambiente do que cortadores — Foto: Getty via BBC

O Google diz que uma das iniciativas mais “sustentáveis” que apoia é trocar cortadores de grama por bodes.

Os gramados do Googleplex, a sede da empresa em Mountain View, na Califórnia, precisam ser aparados regularmente. Por isso, volta e meia é possível ver um grupo de cerca de 200 bodes se alimentando no complexo.

5. Um negócio em crescimento

 

O Google é dono de mais de 70 empresas de internet, incluindo alguns dos principais serviços de mídias sociais — Foto: Getty via BBC

O Google é dono de mais de 70 empresas de internet, incluindo alguns dos principais serviços de mídias sociais — Foto: Getty via BBC

Além do Gmail, do Google Maps, do Google Drive, do Google Chrome e outros, o Google vem adquirindo, em média, uma companhia por semana desde 2010.

Você pode não saber, mas empresas como Android, YouTube, Waze e AdSense são propriedade do Google, assim como dezenas de outras.

YouTube, aliás, foi adquirido em 2006 por cerca de US$ 1,65 bilhão (R$ 9 bilhões nos valores de hoje). Atualmente, a plataforma de vídeos fatura cerca de US$ 20 bilhões (R$ 107 bilhões) por ano.

6. O Doodle

 

A competição "Doodle 4 Google" convida estudantes americanos a redesenhar o logo da homepage do Google e premia o melhor desenho — Foto: Getty via BBC

A competição “Doodle 4 Google” convida estudantes americanos a redesenhar o logo da homepage do Google e premia o melhor desenho — Foto: Getty via BBC

O primeiro Google Doodle foi criado para ser uma resposta automática para um e-mail de “fora do trabalho” no dia 30 de agosto de 1998. Nele, o boneco símbolo do festival de contracultura americano Burning Man, aparecia atrás do segundo “o” no logo da empresa.

Page e Brin foram para o festival, no Estado americano de Nevada, e queriam avisar os usuários do serviço que eles não estariam disponíveis para resolver problemas técnicos.

Desde então, os Doodles se tornaram cada vez mais sofisticados — alguns são até jogos — e se tornaram uma tradição do buscador. Eles celebram dias significativos ou personalidades de diversos países com ilustrações especialmente encomendadas.

Entre os doodles mais memoráveis, estão o da descoberta de água na Lua e o do aniversário de 70 anos de John Lennon — o primeiro doodle em vídeo de todos os tempos.

A empresa criou até uma página especial onde ficam armazenados todos os doodles antigos.

7. Uma oportunidade perdida

 

Larry Page e Sergey Brin criaram o Google como um projeto de pesquisa na Universidade Stanford, na Califórnia, e o lançaram como empresa em 1998 — Foto: Reprodução Google via BBC

Larry Page e Sergey Brin criaram o Google como um projeto de pesquisa na Universidade Stanford, na Califórnia, e o lançaram como empresa em 1998 — Foto: Reprodução Google via BBC

Em 1999, Page e Brin tentaram vender o Google por apenas US$ 1 milhão, mas não houve compradores interessados. Mesmo quando eles reduziram o preço.

Agora, a empresa que controla o buscador do Google e outros produtos da empresa ultrapassou a marca de US$ 1 trilhão (R$ 5,3 trilhões) em valor de mercado, de acordo com a revista Forbes. A marca Google, segundo a publicação, é a segunda mais valiosa do mundo (US$ 207,5 bilhões, ou R$ 1,1 bilhão).

Page e Brin estão entre as 10 pessoas mais ricas do mundo, com fortunas estimadas pela Forbes em US$ 91,5 bilhões (R$ 488 bilhões) e US$ 89 bilhões (R$ 475 bilhões) respectivamente.

A plataforma de buscas opera em todo o mundo em mais de 150 idiomas, respondendo a trilhões de consultas de pesquisa por ano.

8. Lema e acusações

 

Fundadores do Google já foram criticados por supostamente não respeitarem lema "Não seja mau" — Foto: Getty via BBC

Fundadores do Google já foram criticados por supostamente não respeitarem lema “Não seja mau” — Foto: Getty via BBC

“Não seja mau” é um dos lemas originais — e o mais famoso — da empresa.

Se eles se mantêm fiéis a este lema, é algo que divide opiniões de pesquisadores, críticos e usuários.

Autoridades ao redor do mundo, incluindo Europa, EUA e China, tentam há anos limitar o poder das grandes empresas de tecnologia, que se tornaram dominantes na era do capitalismo da internet.

Entre as críticas a essas companhias, estão acusações de prática de monopólio, tratamento desfavorável aos produtos da concorrência em suas plataformas, uso abusivo de dados de clientes e aquisição de todas as pequenas empresas com potencial de ameaçar sua hegemonia. O Google nega as acusações.

É possível que no futuro grandes empresas como Facebook, Google, Amazon, Apple e Microsoft se vejam obrigadas a dividir seus negócios e a reduzir seu tamanho para cumprir as leis antitruste ao redor do mundo.

9. Comida importa — e muito

 

Sempre há algo para comer nos escritórios do Google — Foto: Getty via BBC

Sempre há algo para comer nos escritórios do Google — Foto: Getty via BBC

De acordo com a revista Forbes, o cofundador da empresa, Sergey Brin, decidiu logo no início que nenhum escritório do Google deveria ficar a mais de 60 metros de distância de algum tipo de comida.

Diz-se que, nos primeiros dias do Google, o lanche favorito dos funcionários eram os Swedish Fish ou “peixinhos suecos”, balas de goma em formato de peixe.

10. O melhor amigo

Animais domésticos precisam ser treinados especialmente para serem levados ao escritório do Google — Foto: Getty via BBC

Animais domésticos precisam ser treinados especialmente para serem levados ao escritório do Google — Foto: Getty via BBC

No Google, os funcionários, incluindo os “nooglers” (novatos na empresa) podem levar seus cachorros para o trabalho.

Na condição, é claro, de que eles sejam treinados para estar nos escritórios — e não façam suas necessidades dentro dos prédios, por exemplo.

Mais curiosidades

A sede do Google tem uma sessão só de Lego em seu quarto andar — Foto: Getty via BBC

A sede do Google tem uma sessão só de Lego em seu quarto andar — Foto: Getty via BBC

O índice de busca do Google é, hoje, cerca de 100 vezes maior do que era em 1999. E é atualizado 10 mil vezes mais rápido do que na época.

Uma única pesquisa realizada no buscador utiliza a mesma capacidade de processamento que foi necessária para enviar os astronautas da Apollo 11 para a Lua.

E 15% das buscas feitas diariamente nunca foram realizadas antes.

Os fundadores da empresa também gostam muito dos brinquedos de plástico Lego. Tanto que o primeiro servidor do Google — um conjunto de 10 drives — foi colocado dentro de uma unidade feita de Lego.