A maior satisfação que se pode ter na vida

Comprar um carro novo ou uma casa própria podem trazer uma satisfação pessoal muito grande, não é verdade? No meu caso, Advogada previdenciarista, aposentar um constituinte particularmente me traz um grande sentimento de recompensa e utilidade, me sinto realizada. Mas, nada comparado àquela sexta feira, dia primeiro.

14h, uma pessoa especial toca a campainha da minha casa para tomarmos um café que já virou rotina nesse dia da semana.

Conversávamos sobre coisas amenas quando o telefone da visita toca, aviso de intimação para comparecimento numa audiência administrativa na capital do Estado, coisa muito simples, apenas um comparecimento “de praxe”, pelo menos para mim que sou acostumada com intimações.

Mesmo informando isso à “cliente”minha ilustre visitante ficou assustada e afoita com o telefonema e sem entender a razão daquilo, nem sequer conseguiu tomar seu café que eu havia preparado com tanto capricho.

Após uma semana corrida de trabalho e noites mal dormidas e algumas até não dormidas (pelos relatos da minha cliente), finalmente chegou o dia da audiência administrativa na capital. Se fiz uma audiência mais tranquila e simples, desconheço. O comparecimento se deu apenas para esclarecimentos referentes a uma acusação direcionada a outra pessoa, minha cliente estava ali só para contribuir com o processo, mas fui. Entendi que minha presencia seria importante para ela.

Antes de entrar na sala para prestar depoimento pessoal, olhei para ela e vi o coração pulsar na garganta. Estava nervosa e eu não julgo, entendo que para pessoas que não são da área, qualquer chamamento nem que seja para ajudar na investigação de outra pessoa, causa medo.

– Pode ficar tranquila e responder pausadamente. Estou aqui com você.

Falei na tentativa de acalmá-la.
As mãos geladas se apoiaram nas minhas e entramos na sala de audiência. Fiz questão de colocar minha cadeira bem próxima à dela para que se sentisse mais segura.

15 minutos depois…

-Já acabou? Foi só isso?

Ouvi ela perguntando a quem estava fazendo as perguntas.

-Sim. Não lhe disse que não precisava ficar nervosa, mãe? Estamos liberadas.

Respondi prontamente e no mesmo instante entendi que a maior satisfação que se pode ter na vida é servir a quem nunca mediu esforços para lhe ser útil.

Ganhar na Mega-Sena, comprar um carro 0, um imóvel dos sonhos…nada disso se compara a consegui retribuir, mesmo que minimamente, um pouquinho do que nossos pais fizeram e fazem por nós. Ganhei o dia!

 

Raíssa Cavalcante
Advogada de Guarabira e Colunista do Portal Nordeste 1

Siga no Facebook