A lua de mel de Zé Vaqueiro e Ingra Soares se transformou em pesadelo. Tudo porque o cantor viu o nome envolvido em uma polêmica após não convidar a mãe, Nara de Sá Marcolino, para o próprio casamento. Desde a divulgação da informação, na segunda-feira (25), o músico vem sendo alvo de críticas nas redes sociais. O momento, que era para ser de felicidade, virou dor de cabeça para o artista.

Nara de Sá Marcolino, mãe do cantor, comentou em uma live que não foi convidada para o casamento do filho. “Se soubesse, eu tinha ido”, disse Nara, que em seguida usou emojis de carinhas tristes chorando para simbolizar o que estava sentindo. “Que Deus o abençoe, meu filho. Se tivesse me convidado, eu tinha ido”, completou ela.

Quem acompanhou Zé Vaqueiro ao altar foi a avó dele, dona Leônidas de Sá, por quem o artista foi criado. De acordo com a colunista Keila Jimenez, do R7, o músico sempre considerou a avó sua verdadeira mãe, apesar de não abandonar a mãe financeiramente, principalmente depois do sucesso. Ele chegou a ficar mais de um ano sem ver a mãe.

Nas redes sociais, muitas pessoas criticaram a postura do músico. “Muito decepcionante o que seu filho fez. Humildade dele passou longe”, escreveu uma seguidora. “Estou decepcionada com o Zé Vaqueiro. Fica bem! A senhora não merece sofrer por filho. E não importa o que tenha acontecido, a senhora é mãe. Cuidou com carinho”, comentou outra

Na ocasição, procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do cantor afirmou que ele não ia se pronunciar sobre o assunto.

Diante da repercussão negativa, Ingra Soares, mulher de Zé, se posicionou sobre a polêmica. No Instagram, a jovem deixou a seguinte mensagem: “Eu aguentei muita coisa calada até hoje. [Em] breve, eu irei falar tudo que está engasgado”

Horas depois foi a vez de o músico se posicionar sobre o assunto. Por meio dos stories do Instagram, na quarta-feira (27), ele publicou um texto curto em tom de desabafo. “Ser uma pessoa pública não me obriga a expor minhas feridas, espero que as pessoas compreendam e respeitem. É muito fácil julgar o que não viveu. Att, José Jacson”, escreveu, assinando com o nome verdadeiro.