O direito de não gostar

Eu como estudante de direito já tinha visto de tudo: direito de falar, direito de ouvir, direito a pensão, direito de mudar o nome, direito a usucapião, direito de se aposentar,…mas, direito a não gostar e excluir tinha sido a primeira vez. Paralisei.

Quando a gente chega numa casa ou num lugar novo, com pessoas novas, o que a gente espera é sempre acolhimento não é verdade? Eu pelo menos sempre gostei de conhecer novas pessoas e fazer novas amizades. Mas, percebi claramente que ali não seria assim, pelo menos com algumas pessoas.

Cara fechada, indiferença e exclusão. As 3 coisas que mais detesto na vida estavam ali presentes e eu precisava lidar com elas. Tentei, convidei para sair, ofertei o que eu tinha de melhor. Nada. Irredutíveis.

Aproximei minha família, foi pior. O ciclo da indiferença se repetiu. Comecei a pensar qual problema eu tinha, o que eu tnha feito de tão ruim e o motivo de tudo aquilo, num looping infinito.

Terapia, pensei. Mas, tratar exatamente o que se não sei dizer sequer a causa de tamanha exclusão? Segui a vida, com aquela pulga atrás da orelha que me causava mal estar, mas não tinha outra opção.

Um dia em meio a uma discussão calorosa justamente sobre essas condutas altamente mal educadas e sem sentido dirigidas gratuitamente a mim e a minha família, ouvi em alto e bom som alguém justificar e defender o indefensável assim: mas, todo mundo tem o direito de não gostar!

Fiquei muda. Foi uma das poucas vezes na minha vida que fiquei sem uma resposta na ponta da língua. Direito de não gostar? Essa frase ecoou na minha caneca durante muito tempo.

Eu que nasci num berço de acolhimento e de amor, filha, neta e sobrinha de educadores que me passaram os valores mais bonitos desde sempre e que fui ensinada a lutar pelo direito de AMAR, jamais poderia imaginar que alguém poderia lutar para ter o direito oposto. Direito de não gostar? Essa era nova para mim!

EUREKA! Eu que estava me sentindo desvalorizada e excluída, tomei um novo fôlego! Finalmente tinha conseguido entender tudo aquilo…demorou, sofri, mas desvendei o mistério!

Num mundo cheio de problemas, numa vida passageira como essa…pensar que existe gente disposta a lutar pelo direito de não gostar é assustador, mas nos faz entender o indecifrável.

 

Raíssa Cavalcante
Advogada de Guarabira e Colunista do Portal Nordeste 1

Siga no Facebook