“A política do ‘toma lá, dá cá’ é uma política que está a cada dia ficando pra trás”. Foi assim que o governador da Paraíba, João Azevêdo, do Cidadania, reagiu às críticas de que o gestor, por ser técnico, não estaria direcionando pouca atenção ao ato de ‘fazer política’.

Em entrevista à emissora de rádio de João Pessoa, João disse acreditar que a observação possa ter sido feita por pessoas que, provavelmente, não tiveram suas solicitações atendidas.

“É uma reclamação que possam haver de uma ou duas pessoas que talvez não tenham os seus pleitos efetivamente atendidos”, ressaltou.

O governador explicou que um parlamentar eleito através dos votos de uma região e que vê esse território receber ações do Poder Executivo pode, desta forma, entender que os serviços oferecidos a esse povo nascem com o intuito de atender ao seu pleito.

“Eu sei muito bem que na hora que uma pessoa que representa uma população esteja exercendo um cargo no Legislativo, através dos votos de uma região, e tem nessa região um governo que está levando qualidade no serviço de saúde, obras de infraestrutura, levando obras de assistência social e cuidando da população, essa pessoa capitaliza aquilo enquanto aliado desse governo. Essa é a forma de fazer política”, resumiu João.

Para o chefe do Executivo paraibano fazer política é fazer gestão pública eficiente. É compartilhar, evidentemente, com pessoas que pensam e querem um estado mais avançado, um estado melhor, um estado que gere mais emprego, que haja qualidade no serviço prestado. “Fazer política não é troca o tempo todo de benesses pra quem quer que seja. A política da ‘troca’, a política do ‘toma lá, dá cá’, é uma política que está a cada dia ficando pra trás”, afirmou o governador.

João Azevêdo concluiu dizendo que as declarações negativas sobre sua forma de fazer política não o preocupam, porque são feitas por uma minoria. “Eu não tenho essa preocupação porque eu tenho a convicção de que poucas pessoas fazem esse tipo de observação. Dialogar sobre políticas e sobre projetos é algo para o qual estou sempre aberto e faço isso constantemente. Eu faço sim política”.

 

PB Agora